Rodrigo Félix Leal
Rodrigo Félix Leal

Candidatos ao governo do Paraná investem nos 'pontos fracos' para ampliar votos

Com eleitorado de perfil popular, Ratinho Junior (PSD) aposta em encontros com empresários; Cida Borghetti (PP) 'cola' em postulantes a outros cargos para se tornar mais conhecida

Katna Baran, O Estado de S.Paulo

28 Agosto 2018 | 19h20

Após a divulgação do resultado da primeira pesquisa Ibope de intenção de votos para candidatos ao governo do Paraná, os principais concorrentes têm focado suas agendas em segmentos do eleitorado em que apresentam desempenho mais fraco. Enquanto o deputado estadual Ratinho Junior (PSD) investe no empresariado, a atual governadora Cida Borghetti (PP) “cola” em alguns postulantes a outros cargos para se tornar mais conhecida.

O detalhamento da pesquisa divulgada na semana passada revela que Ratinho, que possui 33% das intenções de voto, tem apelo mais expressivo entre eleitores de cidades de periferia, evangélicos, com baixa escolaridade, e renda familiar de até dois salários mínimos. Na semana passada, o parlamentar focou a agenda de campanha em encontros com um público diverso: os empresários.

+ Conheça as diretrizes dos candidatos ao governo do Paraná nas eleições 2018

A busca pelo eleitor de classe mais alta ocorre desde o início da campanha. Ratinho convidou Darci Piana (PSD), que presidiu o Sistema Fecomércio Sesc Senac Paraná e coordenou o G7 (grupo empresarial paranaense) para ser seu vice na chapa, tentando não repetir 2012, quando perdeu a eleição para a prefeitura de Curitiba por não ter conseguido alcançar o eleitor conservador da capital.

Até o momento, no entanto, não houve resultado prático da ofensiva. Pesquisa do Ibope de abril apontava Ratinho com praticamente o mesmo porcentual de intenções de votos (34%) que agora. Enquanto isso, a governadora subiu dez pontos porcentuais em relação a abril: passou de 5% para 15%.

+ Justiça Eleitoral do Paraná proíbe circulação de vídeo sobre Ratinho Jr.

Em evento na Associação Comercial do Paraná nesta segunda-feira, 27, Ratinho negou que a aproximação com o setor se dê apenas com viés eleitoral. “Quero mostrar que o nosso governo vai ser pró-setores que geram riquezas para o Estado”, afirmou. Para ele, o crescimento nas pesquisas de sua principal adversária é natural. Depois, em último evento de campanha do dia, ele se reuniu com profissionais da saúde, como médicos e enfermeiros.

Cida tenta se tornar conhecida

Já Cida tem investido nos indecisos. Na estratificação da última pesquisa, a governadora apareceu com eleitorado homogêneo, pouco variante entre classe social e escolaridade, mas se destaca entre os católicos, com 19% das intenções de voto. Ao Estado, ela destacou que ainda é desconhecida por boa parte dos paranaenses e que tem buscado usar as redes sociais e apoio de lideranças políticas para ter seu nome mais divulgado.

Na última semana, Cida tem aparecido mais frequentemente ao lado do ex-governador e candidato ao Senado Beto Richa (PSDB), de quem é sucessora, e em inaugurações de comitês de candidatos a deputado. A governadora também tem investido no público evangélico – reduto de Ratinho – e, nas redes sociais, aposta nas mulheres. Em um dos vídeos divulgados no Instagram, por exemplo, ela aparece cozinhando macarrão com molho. 

Na manhã desta terça-feira, 28, Cida se reuniu em Curitiba com trabalhadores da área de limpeza e zeladoria. Depois, participou de almoço com magistrados do Paraná, mas sem acesso à imprensa.

A agenda restrita ocorreu um dia após a governadora ter sido representada pelo Ministério Público Eleitoral por abuso de poder e promoção pessoal. Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral, ela utilizou eventos de governo para realizar promoção pessoal e propaganda política antecipada. “Eu estou bastante tranquila, com a certeza de que não infringi a lei eleitoral. Não fiz campanha antecipada, naquele momento não estava candidata”, declarou ao Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.