Estadão, Câmara dos Deputados e Reprodução
Estadão, Câmara dos Deputados e Reprodução

Candidatos a prefeito de Curitiba nas eleições 2020; saiba quem são

Disputando a reeleição, Rafael Greca (DEM) lidera as pesquisas na capital paranaense; participação feminina é a maior da história

Julio Cesar Lima e Rodrigo Sampaio, especial para o Estadão, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2020 | 10h00

A capital paranaense, Curitiba, tem 15 candidatos à prefeitura nas eleições 2020. São 12 candidaturas de partido único e três coligações registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na disputa. A participação feminina é a maior na história das eleições curitibanas, com seis candidatas. 

De acordo com a pesquisa Ibope/RPC mais recente, divulgada no dia 6 de outubro, o prefeito Rafael Greca (DEM), candidato à reeleição, lidera com 47%, seguido de Fernando Francischini (PSL) e Goura Nataraj (PDT) com 6% e 5%, respectivamente. Já os candidatos Christiane Yared (PL) e João Arruda (MDB) aparecem com 3% cada. 

No domingo, 18, a Justiça Eleitoral indeferiu a candidatura de Diogo Furtado (PCO), por ausência de documentos para o registro. 

Saiba mais sobre os candidatos à prefeitura de Curitiba:

Camila Lanes (PCdoB)

Com apenas 24 anos, Camila Lanes será a candidata mais jovem na disputa à Prefeitura de Curitiba na eleição deste ano. Aposta do PCdoB para o pleito, a estudante é presidente da União da Juventude Socialista (UJS). 

Caroline Arns (Podemos)

A advogada e administradora de empresas Caroline Arns de Santa Cruz Arruda (Podemos) tem 44 anos. Filha do senador Flávio Arns (Podemos) e sobrinha-neta da médica pediatra e sanitarista Zilda Arns, fundadora da Pastoral da Criança, e do cardeal dom Paulo Evaristo Arns, Caroline já ocupou cargos públicos, mas nunca disputou eleições.

Casada e mãe de duas filhas, Caroline é mestre em Engenharia de Produção – Gestão de Negócios pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Foi diretora de Planejamento da Fundação de Ação Social (FAS) de Curitiba, além de coordenadora de Projetos Sociais e Parcerias do Serviço Social da Indústria, além de atuar como professora de Direito da FAE há 17 anos.

Em sua trajetória integrou o Conselho Universitário da UFPR e do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFPR como representante da comunidade externa.

Durante a convenção virtual que definiu seu nome como candidata, recebeu apoio dos senadores Alvaro Dias e Oriovisto Guimarães, ambos do Podemos.

Christiane Yared (PL)

Empresária e pastora evangélica, Christiane Yared (PL), de 60 anos, foi a deputada federal mais votada do Paraná em 2014, quando se elegeu pelo Partido Trabalhista Nacional (PTN) com 200.144 votos. Em 2018, se reelegeu para o cargo disputando a eleição pelo Partido da República (PR). 

A candidata também foi presidente do Instituto Paz No Trânsito, que fundou com o marido, em 2015, após perder o filho em um acidente automobilístico seis anos antes. Tem como vice a também empresária Jilcy Rink. 

Eloy Casagrande (Rede)

Professor na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Eloy Casagrande, de 61 anos, é o nome da Rede para a eleição na capital paranaense. O conselheiro tutelar Michel Urânia será o candidato a vice.

PhD em engenharia pela Universidade de Nottingham, o candidato possui uma longa carreira acadêmica, com pesquisas voltadas para a sustentabilidade. Foi coordenador do Escritório Verde, projeto premiado pela ONU que busca viabilizar construções sustentáveis com emissão zero de carbono e uso de energia solar. 

Fernando Francischini (PSL)

Nascido em Londrina, o deputado estadual e delegado licenciado da Polícia Federal (PF) Fernando Francischini (PSL), de 50 anos, exerceu dois mandatos como deputado federal de 2010 a 2018. Um dos coordenadores da campanha do presidente Jair Bolsonaro, ele tenta atrair, em seus discursos, os votos do eleitorado conservador e bolsonarista. Para vice em sua chapa, apostou na cirurgiã dentista e major da PM Letícia Chun Pei Pan.

Eleito com 423 mil votos (a maior votação no Estado), o deputado entra na campanha tentando alinhar o discurso contra a “velha política”, mesmo exercendo mandatos políticos desde 2011. Para esta campanha, terá o apoio do DC, PSDB, Patriota, Solidariedade

Deixou a Câmara dos Deputados para assumir, em 2014, a Secretaria de Segurança Pública e de Administração Penitenciária do governo Beto Richa (PSDB). Em abril de 2015, coordenou a repressão policial contra professores da rede pública que protestavam em frente à Assembleia Legislativa do Paraná contra um pacote de medidas de cortes orçamentários do Estado e que resultou em mais de 300 feridos. No mês seguinte, deixou o cargo e retornou à Câmara.

Como delegado da PF, Francischini atuou nas prisões dos traficantes Fernandinho Beira-Mar e do colombiano Juan Carlo Abadia, além de comandar operações na área de segurança. Ex-oficial do Exército e da Polícia Militar do Paraná, comandou a RONE (atualmente, BOPE) e a Companhia de Operações Especiais (COE) e chefiou a delegacia de Repressão a Entorpecentes, da Polícia Federal, em São Paulo.

Goura Nataraj (PDT)

Mestre em Filosofia, o deputado estadual Goura Nataraj (PDT), de 40 anos, é ativista nas áreas ambiental, de sustentabilidade, acessibilidade e direitos humanos. Antes de entrar na vida pública, como vereador em 2017, já atuava em diversos coletivos voltados à defesa de uma cidade mais saudável e humanizada. Goura tem Ana Lucia Moro como sua vice.

Nataraj, originalmente chamado de Jorge Brand, trocou de nome aos 18 anos, após uma viagem a Índia, onde deu início aos estudos filosóficos. Posteriormente, se tornou vereador e atuou na Secretaria de Trânsito durante a gestão de Fruet. Na pasta, colocou em prática ações como Jardinagem Libertária, Música Pra Sair da Bolha e a primeira Bicicletada de Curitiba.

Como participante da Associação de Ciclistas do Alto Iguaçu, atuou na criação do Plano Cicloviário de Curitiba, ajudou na criação das chamadas áreas calmas – vias com velocidade máxima de 30 quilômetros compartilhada entre veículos e bicicletas – e nos investimentos realizados na área entre 2013 e 2016.

João Arruda (MDB)

O ex-deputado federal João Arruda, 44 anos, atuou na Câmara dos Deputados por dois mandatos e tenta, com o apoio do tio, o ex-senador Roberto Requião, retomar a força política que o MDB já teve no Estado. Como deputado, foi relator da proposta que elevou o teto do regime tributário especial Supersimples e autor do projeto que ficou conhecido como Lei Maria da Penha virtual. Esta lei considera que “qualquer divulgação de imagens, informações, dados pessoais, vídeos ou áudios obtidos no âmbito de relações domésticas, sem o expresso consentimento da mulher, passe a ser entendido como violação da intimidade”.

João Guilherme (Novo)

O oftalmologista João Guilherme (Novo), 46 anos, tenta vencer a disputa pela prefeitura pela segunda vez, após, como vice de Ney Leprevost (PSD), perder o segundo turno para o atual prefeito Rafael Greca. João, que também é empresário, diz que a política precisa ser mais eficaz e com menos privilégios.

Letícia Lanz (PSOL)

Pela primeira vez, uma candidata transgênero vai concorrer à Prefeitura de Curitiba: a psicanalista, economista, mestre em Sociologia e especialista em Gênero e Sexualidade Letícia Lanz. Aos 68 anos e concorrendo pelo PSOL, ela defende uma sociedade plural e com justiça social.

Marisa Lobo (Avante)

Psicóloga, conservadora e cristã, Marisa Lobo, de 57 anos, vai disputar a prefeitura de Curitiba pelo Avante, e terá o jornalista e advogado Romulo Quenehen como candidato a vice em sua chapa. 

Militante “pró-vida”, a candidata também é escritora e atuante no combate à ideologia de gênero. Em 2016, lançou o livro A Ideologia de Gênero na Educação

Paulo Opuszka (PT)

Mestre e doutor em Direito pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Paulo Opuszka, 43 anos, é a aposta do PT neste pleito. Opuszka atuou, na maioria das vezes, em causas trabalhistas, além de ter prestado serviços para sindicatos, cooperativas e redes de produtos artesanais. Também foi superintendente no Instituto de Administração Pública (Imap) da Prefeitura de Curitiba.

Rafael Greca (DEM)

Rafael Greca de Macedo, 64 anos, tenta o seu terceiro mandato à frente da prefeitura de Curitiba. Eleito em 2016 pelo PMN, Greca, agora no DEM, montou uma base forte e tenta a reeleição repetindo a mesma chapa com o empresário Eduardo Pimentel (PSD) e o apoio do governador Ratinho Júnior (PSD). Da coligação, também participam PP, PSB, Republicanos, PMN, Cidadania, PTB e PMB.

Nascido em Curitiba, Greca é formado em Economia e Engenharia, com especialização em Urbanismo. Foi vereador, deputado estadual, prefeito de Curitiba, deputado federal e ministro do Esporte e Turismo no governo Fernando Henrique Cardoso.

O prefeito também presidiu a Companhia de Habitação do Paraná entre 2007 e abril de 2010, de onde saiu para assumir sua cadeira como deputado estadual.

Na vida política iniciou no antigo PDS (que sucedeu a Arena, apoiadora da ditadura militar) e em seguida passou para o PDT, o antigo PFL, PMDB, PMN e agora volta ao DEM (ex-PFL).

Greca é escritor, poeta, editor e pesquisador da História, membro da Academia Paranaense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico do Paraná.

Renato Mocellin (PV)

O professor Renato Mocellin, de 62 anos, é o candidato do Partido Verde. Com uma extensa carreira acadêmica, é formado em Direito, História e Estudos Sociais, com mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). 

Mocellin disputou a prefeitura de Bocaiúva do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba, em 2000 pelo PPS, ficando em segundo lugar. Voltou a concorrer somente em 2018, quando se candidatou a deputado federal, mas não se elegeu. 

Samara Garratini (PSTU)

Professora da rede municipal de Curitiba, Samara Garratini, de 29 anos, é formada em Pedagogia Universidade Federal do Paraná (UFPR). Envolvida com movimentos sociais, a candidata preside atualmente o diretório municipal do PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado) na capital paranaense. 

Zé Boni (PTC)

O Partido Trabalhista Cristão (PTC) terá como candidato o administrador Zé Boni, de 43 anos. O comerciante Valdo Peres completa a chapa como vice.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.