Reprodução|PSDB-MG
Reprodução|PSDB-MG

Candidato tucano em BH propõe acionar Justiça para internar dependentes de crack

João Leite diz que medida será tomada em casos extremos e que vai acabar com a cracolândia da cidade

Leonardo Augusto, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2016 | 14h05

BELO HORIZONTE - O candidato do PSDB à Prefeitura de Belo Horizonte, deputado estadual João Leite, afirmou nesta sexta-feira, 19, que, se eleito, vai acionar a Justiça, em casos extremos, para obrigar dependentes de drogas a serem internados para tratamento. O tucano disse ainda que vai acabar com a cracolândia da cidade, área de aproximadamente um quarteirão às margens da Avenida Antônio Carlos, que liga a zona Norte ao Centro da cidade, onde dependentes químicos utilizam crack.

O tucano visitou nesta sexta uma associação  no bairro Renascença, Região Nordeste da capital mineira, que trabalha com a recuperação de usuários de crack. "Algo que Belo Horizonte não terá é cracolândia. Não permitirei isso aqui", disse. Conforme o candidato, caso vença as eleições será oferecida orientação para que dependentes químicos deixem as drogas. "Haverá abordagem e oportunidade para que saiam. E os casos extremos nós vamos judicializar, para que seja determinada internação involuntária".

O deputado frisou que a prefeitura não tem poder para determinar a internação forçada. "É o Ministério Público, a Justiça e a defensoria pública, mas vamos cobrar as internações para salvamento desses jovens. Não é possível essas pessoas morrerem, trazendo grande insegurança para a cidade", disse. Conforme o candidato, os níveis atuais de uso de drogas no Brasil fazem com que o tráfico de entorpecentes seja a segunda atividade mais lucrativa no País. "Só perde para o tráfico humano", afirmou. "Não é um problema moral. É de saúde", acrescentou o parlamentar. "Vamos tratar o usuário dependente. Será prioridade absoluta. Primeiro, vamos resgatar esses jovens. Depois, quebramos as pernas do tráfico em Belo Horizonte", avaliou o tucano.

Histórico. A cracolândia de Belo Horizonte existe há pelo menos 10 anos. Fica praticamente ao lado do Departamento de Investigações da Polícia Civil, há cerca de dois anos em reforma, no bairro Lagoinha. Durante o dia ou à noite, é possível ver veículos da Polícia Militar passando pela região. Pessoas que frequentam a região são constantemente abordadas na rua. O mesmo acontece com  motoristas que passam pela área e são abordados por usuários em busca de dinheiro para comprar a droga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.