Candidato se exime de culpa por campanha em templo

O candidato do PRB, Celso Russomano, atribuiu ontem aos pastores da Assembleia de Deus Ministério em Santo Amaro a responsabilidade pelos pedidos de votos para sua candidatura durante culto na noite de sexta-feira. Ele alegou que não infrigiu a legislação eleitoral e "não pode responder pelo que os outros falam". O candidato e seu vice, Luiz Flávio D'Urso (PTB), dividiram o púlpito com os pastores na igreja localizada na zona sul paulistana.

O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2012 | 03h06

Durante o evento, os pastores contrariaram a lei, que proíbe campanha dentro de templos religiosos - considerados bens públicos -, pediram voto para Russomanno e citaram seu número. "Não posso responder nem pelo o que o meu filho, que é fruto do meu fruto, fala", disse Russomanno, durante carreata no bairro da Penha, na zona leste. Ele alegou ainda que foi surpreendido pela manifestação dos religiosos. "Você (falando ao repórter) tem bola de cristal? Não tem? Você pode prever o que as pessoas vão falar? Não pode. Eu também não."

O fato, porém, gerou críticas do candidato do PT, Fernando Haddad. "Não devemos jogar fora uma conquista da democracia que é o Estado laico", disse. "Nossa Constituição proíbe a utilização oportunista de templos e locais públicos para a partidarização." Anteontem, Haddad disse enxergar "risco de fundamentalismo" na mistura entre fé e religião.

Já o tucano José Serra foi mais ponderado. "Essa é uma questão que tem que ser discutida na Justiça Eleitoral. É uma questão que ele tem que tratar. O que é mais problemático no Russomano é a falta de propostas."

Universal. Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, cabos eleitorais de Russomanno e uma kombi da campanha foram flagrados na última semana no estacionamento do principal templo da Igreja Universal do Reino de Deus em São Paulo - localizado em Santo Amaro. O candidato disse não ter conhecimento do uso da estrutura do templo por sua campanha.

/ FRANCISCO CARLOS DE ASSIS, BRUNO LUPION E RICARDO LEOPOLDO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.