Candidato nega recuo em proposta sobre segurança

Russomanno critica imprensa e garante que foi 'mal interpretado' em sua afirmação de que iria rever os contratos

RICARDO CHAPOLA, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2012 | 10h07

O candidato do PRB à Prefeitura de SP, Celso Russomanno, disse ontem ter sido "mal interpretado" e que não mudou sua proposta em relação aos contratos da administração municipal com empresas de segurança privada.

O Estado revelou ontem que o candidato do PRB inverteu a promessa. No dia 8, visitando a zona leste, Russomanno disse que iria rever os contratos. Em reunião fechada com empresários do setor na quarta-feira, recuou e prometeu que, se eleito, vai manter as parcerias.

"O Estado interpretou mal. Não mudei nada com relação a isso (contratos da Prefeitura com empresas de segurança). Deixei claro que manteria os contratos", disse, após almoço com dirigentes da Federação de Aposentados. O candidato não comentou, porém, sua declaração do sábado passado na qual havia prometido rever os contratos com segurança privada da Prefeitura. "As propostas não são publicadas. Só picuinha é publicada."

Representantes do setor de segurança privada cobraram Celso Russomanno logo no início da reunião. Pediram ao candidato do PRB que "olhasse com mais carinho" a promessa de rever os convênios.

O vice-presidente de uma das associações presentes no evento, João Eliezer Palhuca, argumentou no encontro que o serviço prestado pela segurança privada tem papel "suplementar" para a segurança pública. Segundo ele, empresas particulares são responsáveis por 40% dos serviços prestados aos órgãos públicos.

O encontro com os empresários chegou a ser divulgado pela assessoria de imprensa do candidato. Pouco depois, a assessoria informou que a reunião seria fechada à imprensa. A convite de um empresário, a reportagem acompanhou o evento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.