Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Candidato do PV diz que crise hídrica não é questão política

Gilberto Natalini, segundo convidado da série Entrevistas Estadão, vê problema efetivo de abastecimento no Estado e afirma que não se pode 'fugir' do tema

O Estado de S.Paulo

05 de agosto de 2014 | 17h18

Para o candidato do PV ao governo de São Paulo, Gilberto Natalini, não há "exploração política" da crise hídrica no Estado e que não adianta "fugir do problema". Segundo candidato ao Palácio dos Bandeirantes a participar da série Entrevistas Estadão, nesta terça-feira, 5, Natalini afirmou que não se pode "fugir do problema".

Nessa segunda-feira, 4, o governador Geraldo Alckmin (PSDB), candidato à reeleição, em entrevista ao Estado, descartou a necessidade de racionamento e criticou o que chamou de "exploração política" do tema. "Tem uma série de medidas que tem de ser tomadas. Não é um problema de exploração política, a questão é que existe efetivamente o problema. Não adianta fugir do problema", afirmou Natalini.

Apesar de lançar candidatura própria ao governo paulista, o PV faz parte do governo Alckmin. O partido tem o comando da secretaria de Energia, comandada pelo presidente estadual da sigla Marco Mroz. Antes disso, o PV ocupou a chefia da secretaria de Saneamento, pasta responsável pelo gerenciamento da crise hídrica. Edson Giriboni ficou no comando da pasta entre janeiro de 2011 até março de 2014, quando deixou o cargo para se candidatar a deputado estadual.

"Muitas iniciativas foram colocadas para o governo. Agora você ser secretário em uma pasta, você não manda no governo. Você é mais um. Acho que a postura que o PV desempenhou aquela função trouxe muitas propostas para aquela questão. Agora não foram suficientes para encarar este estresse que a natureza colocou", afirmou Natalini.

Dentre as medidas defendidas para a solução da crise de abastecimento, o candidato defendeu racionalizar o consumo e fazer o tratamento dos cursos de água.

Médico de ofício, Natalini, de 62 anos, atualmente ocupa cargo de vereador na cidade de São Paulo. Ele já foi secretário de Saúde da cidade de Diadema, na região metropolitana. Em 2000, foi eleito vereador de São Paulo pelo PSDB. Em 2005, licenciou-se de seu segundo mandato na Câmara para ser secretário de Participação e Parceria na gestão do então prefeito José Serra. No ano seguinte, voltou para o legislativo onde está até hoje. Natalini filiou-se pelo PV, partido pelo qual foi reeleito vereador em 2012.

Próximas entrevistas. Na quarta, 6, será a vez do candidato do PSOL, Gilberto Maringoni. Na quinta, 7, o convidado é Alexandre Padilha (PT). Paulo Skaf (PMDB) encerra a série na sexta-feira, 8. Todas as entrevistas serão às 16 horas e transmitidas ao vivo pelo portal estadão.com.br e pelo canal do jornal noYouTube. Nas próximas semanas, candidatos a presidente, a vice e ao Senado também serão entrevistados. Os internautas podem enviar perguntas pelas redes sociais usando a hashtag #EntrevistasEstadao.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.