Candidato do PT é reeleito em Rio Branco no primeiro turno

Ele teve 50,82% dos votos; em segundo lugar ficou Petecão (PMN), com 25,60%

Antonio Muniz, especial para o Estado,

05 de outubro de 2008 | 21h50

A reeleição do prefeito Raimundo Angelim (PT) foi confirmada pelo TRE-Acre. Ele aparece com mais de 50,82% dos votos. A militância do PT faz festa no centro da cidade desde às 18h. Em segundo lugar ficou Petecão (PMN), com 25,60% dos votos, seguido por Tião Bocalom (PSDB), com 22,34% e Antonio Rocha (PSOL), com 1,24%.   Veja Também: Cobertura completa das eleições 2008  Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos  Imagens da votação pelo Brasil    Em Cruzeiro do Sul, o segundo maior colégio eleitoral do Acre, o ex-deputado Vagner Sales (PMDB) tem 56% dos votos. O candidato da Frente Popular, empresário Zinho Santos (PP) tem 28%. Zinho é o candidato apoiado pelo governado Binho Marques e o senador Tião Viana, ambos do PT.   Os três vereadores mais votados na cidade foram Jesse (PSB), Atério Moreira (PSB) e Rodrigo Pinto (PMDB).   Apoiado por 17 partidos, entre estes o PP, adversário histórico do PT, Angelim entra para a história por ser o primeiro prefeito reeleito na Capital acreana. Mauri Sérgio e Flaviano Melo, ambos do PMDB tiveram chances, mas preferiram não disputar.    Sérgio Petecão desejou boa sorte ao prefeito reeleito, mas afirmou que os partidos de oposição foram derrotados pelo poderio econômico. "Eles transformam eleição em leilão. Mesmo assim, acredito que se não fosse a chuva teríamos provocado o segundo turno", afirmou.   O prefeito reeleito terá apoio de 10 dos 14 vereadores eleitos. Dos 12 vereadores que disputaram a reeleição, apenas seis obtiveram êxito. A renovação na Câmara foi de 50%. Até o vereador Márcio Batista (PC do B), que aparecia em segundo lugar na pesquisa do Ibope, não conseguiu ser reeleito. A maioria dos vereadores que foram líder do prefeito, não conseguiu se reeleger.   O trânsito no centro de rio Branco ficou muito tumultuado e a militância resolveu comemorar a vitória de Angelim na Concha Acústica, no Parque da Maternidade.   "Agradeço primeiro a Deus pela oportunidade e população rio-branquense que foi às urnas nos reeleger. Vamos ampliar as parcerias com o presidente Lula e o governador Binho Marques para trabalhar mais nos bairros periféricos. Fizemos muitos no primeiro mandato, mas iremos fazer muito mais no segundo", garantiu.   Nos quatro municípios que compõem a região de Rio Branco, o PT venceu em Porto Acre, cenário da batalha final da revolução Acreana, com o técnico agrícola José Maria e reelegeu Joais Santos em Capixaba. Em Bujari o ex-prefeito João Padeiro (PMDB) foi eleito. James Gomes (PSDB) desbancou o prefeito de Senador Guiomard, Celso Ribeiro (PR), que teve apoio do governador. A forte chuva durante o domingo provocou o grande índice de abstenção.   Mais de 18% dos eleitores não foram às urnas. O prefeito reeleito concederá entrevista coletiva à imprensa em frente à sede da prefeitura, onde a militância petista celebra a vitória.   Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rio Branco tem 201.620 eleitores. Quinhentas e nove urnas foram preparadas para receber o voto dessa população. Em todo o Acre, a faixa etária com a maior quantidade de eleitores é de 25 a 34 anos. Adultos acima de 79 anos são minoria entre os eleitores da cidade.   Na cidade, servidores públicos da União, Estados e municípios são maioria absoluta entre os candidatos a prefeito, vice e vereador. De quatro candidatos a prefeito, só Sérgio Petecão (PMN) não é do quadro público.   Os outros três - Raimundo Angelim (PT), candidato à reeleição, Antonio Rocha (PSOL) e Tião Bocalon (PSDB) - fizeram suas carreiras na administração pública. Angelim e Bocalon são professores públicos; Rocha, servidor da burocracia estadual.   Rio Branco está entre as capitais que pela primeira vez terão segundo turno. Isso porque, desde as últimas eleições municipais, em 2004, nove municípios brasileiros, incluindo Rio Branco, conseguiram superar a marca de 200 mil eleitores e vivem neste ano a expectativa de realizar pela primeira vez um pleito municipal em dois turnos.   A possibilidade de eleição dividida em mais de um turno poderá novidade também em Rio Branco, nas cidades paulistas Franca e Guarujá, nas mineiras Betim e Uberaba, na paraense Ananindeua, na catarinense Blumenau e na fluminense Volta Redonda.   Atualizada às 01h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.