Candidato do PSB pressiona petista no Recife

Com um crescimento de 22 pontos porcentuais em 40 dias, o candidato do PSB à prefeitura do Recife, Geraldo Júlio, chegou a 29% das intenções de voto e empatou com Humberto Costa (PT), segundo nova pesquisa Datafolha. O petista Costa, com apoio direto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, tinha 35% na pesquisa de julho e caiu seis pontos.

MONICA BERNARDES , ESPECIAL PARA O ESTADO , O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2012 | 03h10

Abaixo dos dois aparecem Daniel Coelho (PSDB), com 12%, e Mendonça Filho (DEM), com 9%. Outros três candidatos conseguiram 1% e outros 19% dos consultados votariam branco, nulo ou não sabem. Foram ouvidas 832 pessoas e a margem de erro é de 3 pontos porcentuais, para mais ou para menos.

Ao eliminar em cinco semanas uma diferença de 28 pontos, Geraldo Júlio fez do governador Eduardo Campos - que o lançou e se envolve pessoalmente na disputa contra o candidato lulista - o grande vencedor até agora. "O crescimento do candidato do PSB era esperado. Nós sempre trabalhamos com um cenário de dois turnos e o segundo turno é outra eleição", afirmou o coordenador-geral da campanha petista, Dilson Peixoto, que procura tratar sem alarde a prematura polarização da campanha entre os dois líderes da pesquisa.

Sem 'salto alto'. Apesar da euforia na cúpula do PSB, o presidente estadual do partido, Sileno Guedes, prefere a cautela: "A população está percebendo nossas propostas e isso está se refletindo no crescimento de Geraldo", afirmou. E advertiu em seguida: "Não queremos salto alto, nem na militância nem dentro da equipe de campanha." A estratégia daqui para a frente é a de "colar" ainda mais a imagem de Geraldo à do governador, que tem aparecido em todas as suas inserções de rádio e TV.

Na cúpula da campanha de Humberto Costa, a esperança é a chegada e participação de Lula - que, segundo o presidente do PT, Rui Falcão, estaria pessoalmente empenhado em derrotar o PSB, pelo qual se diz "traído".

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.