Candidato do DEM quer câmeras de segurança em Joinville

Darci de Matos afirmou que, se eleito, irá manter o que deu certo para Joinville e mudar o que não deu

Agência Brasil

24 de setembro de 2008 | 16h35

Para o candidato do Democratas à prefeitura de Joinville, Santa Catarina, Darci de Matos, é necessário dar continuidade aos projetos implementados pelo atual prefeito, Marco Tebaldi (PSDB), que o apóia na campanha. "O que deu certo, nós vamos manter. O que não funcionou bem, vamos tentar aperfeiçoar ou substituir", disse Matos.   Veja também: Especial: Perfil dos candidatos  Blog: propostas dos candidatos de São Paulo na sabatina do 'Grupo Estado' Ibope: Veja números das últimas pesquisas    Ele afirmou que pretende instalar nos bairros de Joinville câmeras de segurança para ajudar na vigilância. Atualmente já existem câmeras instaladas no centro do município, que possui 500 mil habitantes e uma movimentação econômica das mais prósperas do estado de Santa Catarina.   "São poucas câmeras, mas que já renderam bons resultados no combate a assaltos e outros crimes. Com o cabeamento de fibra ótica na cidade, que pretendemos concluir, será possível instalar mais câmeras nos bairros, próximo às escolas, às instituições públicas. Mesmo que a segurança não seja uma atribuição da prefeitura, temos condições de fazer convênios com o estado para viabilizar esse tipo de projeto", disse o candidato, que exerce mandato de vereador atualmente.   Darci de Matos é graduado em economia pela Universidade da Região de Joinville (Univille) e pós-graduado em administração e marketing pelo Instituto Superior de Administração e Informática de Curitiba (Paraná). Ele é professor do curso de Direito da Associação Catarinense de Ensino (ACE).   Em 1984, Darci iniciou suas atividades profissionais como locutor da Rádio Colon, de Joinville. Em 1994, foi eleito presidente da Associação dos Servidores Públicos Municipais. Se elegeu vereador em 2000 e foi presidente da Câmara de Vereadores no período 2003/2004. Em 2004, ele se reelegeu e novamente ocupou a presidência do legislativo municipal, cargo do qual se licenciou recentemente para concorrer à prefeitura.   Além das câmeras, Darci disse que pretende criar uma fundação de segurança no âmbito municipal e aumentar o número de agentes de trânsito. "Desta forma, vamos liberar os policiais para atuar na área de segurança especificamente", destacou.   O trânsito é outro problema destacado pelo candidato. "Para dar mais agilidade, vamos priorizar as obras de duplicação de vias, construção de avenidas. Para isso, a atual administração já assinou convênio com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), que liberou R$ 60 milhões, que já estão sendo utilizados", afirmou. Entre as obras principais realizadas com recursos do BID, o candidato citou a construção de uma via expressa (eixão).   "Além disso, vamos dar prioridade a obras de infra-estrutura, com o objetivo de conter as enchentes, e a obras com o objetivo de aumentar de 14% para 50% o esgotamento sanitário do município", disse.   Darci citou ainda a construção de dez parques, com recursos obtidos pela prefeitura por meio do Fundo de Desenvolvimento do Rio da Prata (Funplata). "Investiremos R$ 18 milhões na construção desses parques, que já estão em processo de licitação", acrescentou.   Na área de saúde, o candidato destacou a necessidade de contratação de médicos e de melhoria na remuneração. Atualmente, o médico da rede pública de Joinville recebe em média R$ 2,5 mil. "Por esse salário, é impossível manter os médicos no município, mesmo tendo uma faculdade de medicina. Os médicos se formam e vão trabalhar em outras cidades. Além disso, queremos criar mais leitos e acabar com as filas".   Darci de Matos disse ainda que vai dar prioridade à educação infantil, até seis anos, e implementar o período integral. Atualmente, faltam vagas nas escolas de Joinville e, de acordo com o candidato, até o fim do ano a prefeitura entregará cinco escolas. "Até o final do ano teremos condições de acabar com o terceiro turno, com a construção de mais escolas, e conseguiremos implementar o turno integral para crianças de até seis anos de idade".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.