Candidato diz não temer investigação em ONG

Para Russomanno, atendimento prestado a eleitores por instituto que ele preside 'não é nada' e já tinha sido usado antes

RICARDO CHAPOLA, O Estado de S.Paulo

10 de setembro de 2012 | 03h07

O candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, disse ontem não temer a investigação aberta pelo Ministério Público Eleitoral para apurar o uso da estrutura de sua ONG, o Instituto de Defesa do Consumidor (Inadec), na campanha eleitoral. A ONG é presidida por Russomanno e recebe eleitores que fazem reclamações ao candidato durante campanha. Russomanno disse ontem que sempre atuou assim quando concorreu a outros cargos públicos.

"Eu não estou fazendo nada, não tenho medo da investigação do Ministério Público", afirmou antes de assistir à missa na Paróquia Assunção de Nossa Senhora, na região central. "As pessoas me procuram com problemas. Isso eu fiz a minha vida toda, durante as outras candidaturas, sempre foi assim", disse o candidato.

Conforme o Estado revelou na edição de ontem, a equipe de Russomanno distribui cartões de contatos e encaminha eleitores ao Inadec durante agendas oficiais de campanha do candidato. Na ruas, Russomanno se compromete a solucionar "problemas" levados até ele pelos eleitores, enquanto caminha por locais públicos. Para ajudá-los, mobiliza a equipe do Inadec - formada por três advogados. Eles recebem reclamações de consumidores que se sentem lesados pela má prestação de serviços e produtos e pelo mau atendimento em órgãos municipais. E trabalham para resolvê-las.

Quando questionado, Russomanno sempre faz questão de ressaltar que custeia com recursos próprios todas as despesas de manutenção do Inadec.

Consultado pelo Estado, o promotor Roberto Senise, do Ministério Público Eleitoral, anunciou a decisão de abrir uma investigação para apurar se o atendimento prestado pelo candidato aos eleitores configura algum desrespeito à Lei Eleitoral.

Cartão de visitas. Apesar de sustentar "não fazer nada", Russomanno suspendeu ontem a entrega dos contatos do Inadec. Após a publicação da reportagem, os assessores de Russomanno deixaram de entregar cartões do instituto aos eleitores durante a agenda do candidato. Depois de participar de carreata, ele fez corpo a corpo em uma favela na Cidade Ademar, zona sul, distribuiu santinhos, autógrafos e parou para fotos.

Telinha. Apresentador de TV, Russomanno prestava consultoria em direito do consumir a telespectadores até dias antes de a campanha começar - teve de se afastar da televisão por exigência da legislação eleitoral.

Ao vivo, em programas que participava na Rede Brasil, ele ouvia casos e reclamações de telespectadores que telefonavam e também os encaminhava ao Inadec.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.