Campos promete rever faixa de isenção de Imposto de Renda

Em encontro com servidores do Fisco, candidato do PSB à Presidência diz não ser normal tributo incidir sobre quem ganha R$ 1,8 mil mensais

LUCIANA NUNES LEAL, O Estado de S. Paulo

05 de agosto de 2014 | 14h21

RIO - O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, prometeu, em reunião com auditores fiscais nesta terça-feira, 5, que, se eleito, não haverá aumento da carga tributária em seu governo e defendeu o reajuste de tabela do Imposto de Renda, a fim de aumentar a faixa salarial de isenção do tributo.

Os servidores do Fisco entregaram uma série de propostas, entre elas isenção de Imposto de Renda para quem ganha até R$ 2,8 mil por mês em vez dos R$ 1,8 mil atuais. Os profissionais também sugeriram ampliação do imposto anual sobre veículos (IPVA) para barcos, helicópteros e aviões particulares de luxo. O candidato prometeu estudar as propostas. "É inconcebível que quem ganhe R$ 1,8 mil já pague imposto de renda e que os pobres paguem mais que os ricos", disse Campos.

De acordo com a tabela do Imposto de Renda publicada em maio deste ano, quem recebe até R$ 1.868,22 por mês está isento. A partir desse valor até R$ 2.799,86, o contribuinte paga 7,5% de imposto.

"Não é normal o Imposto de Renda incidir sobre quem ganha R$ 1,8 mil. Nem incidir sobre a moto de 125 cilindradas que um trabalhador usa para trabalhar e não sobre a aeronave particular. O governo desonera o Imposto sobre Produtos Industrializados para carros e deixa o da bicicleta", criticou, citando a política de desonerações da presidente Dilma Rousseff. "Serei o primeiro presidente da República que se compromete que não haverá aumento da carga tributária e apresentará uma rampa para redução da carga tributária no Brasil", disse Campos aos fiscais. Os auditores pediram redação da carga tributária de 35% do PIB para 32% em cinco anos.

O candidato insistiu que é preciso "liberar a renda dos pobres para liberar o consumo" e disse que os avanços na renda ocorridos nos últimos anos estão em xeque. "Não podemos crescer 1% do PIB. O que houve de avanço de inclusão das famílias vai desaparecer rapidamente se continuar esse padrão de crescimento", previu.

O ex-governador de Pernambuco garantiu que vai mandar uma proposta de reforma tributária ao Congresso na primeira semana de governo e voltou a criticar a existência de 39 ministérios e 22 mil cargos comissionados na administração federal. Campos prometeu ainda "resgatar a Petrobrás da situação em que ela se encontra " e "blindar da interferência nefasta da politicagem", mas evitou falar em reajuste da gasolina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.