Campos pediu voto de garçom pela manhã antes de embarcar

Antes de deixar hotel em que estava hospedado no Rio, candidato tomou café da manhã e brincou com garçom que o atendeu

Felipe Werneck, O Estado de S. Paulo

13 de agosto de 2014 | 18h03

Antes de deixar o hotel em que estava hospedado, em Copacabana, na zona sul do Rio, por volta das 8 horas desta quarta-feira (13|), Eduardo Campos tomou café da manhã com familiares no primeiro andar do hotel e foi atendido por um garçom de Pernambuco. Os dois conversaram e o candidato brincou com funcionários e pediu votos.

Na véspera, Campos havia passado praticamente todo o dia no hotel, se preparando para a entrevista no "Jornal Nacional", realizada à noite. Ele só deixou o local à tarde, para um encontro com o cardeal arcebispo do Rio, d. Orani Tempesta, na Arquidiocese do Rio.

Ao sair para a entrevista na TV Globo, por volta das 19 horas, o candidato entregou um "santinho" de sua campanha para um manobrista, na porta do hotel. Segundo relatos, Campos retornou para o hotel por volta das 22h30.

"Ele apertou a mão dos seguranças, acenou para mim e para outro colega, fazendo um sinal de positivo", disse o taxista Carlos Pinheiro, que trabalha em uma cooperativa que mantém um ponto na frente do hotel.

Ao deixar o local para o encontro com o arcebispo, Campos estava acompanhado de sua vice na chapa para a Presidência, Marina Silva. "Ele acenou para a gente e saiu rápido. Parecia ser muito simples, tranquilo e simpático. Cumprimentava e apertava a mão de todos. Não acredito que ninguém vai conseguir fazer nada sem mudar o sistema, mas ele (Campos) parecia ter uma intenção de mudar as coisas", disse Fernando Martins, gerente do restaurante Imperator, que fica no lado direito do hotel. "Até convidei a Marina para almoçar aqui, mas ela tinha um compromisso. É triste isso tudo. Foi uma perda grande, era um pessoa com um grande futuro político", acrescentou o gerente.

Funcionária da loja de pedras preciosas Freddy's, que fica à esquerda da entrada do hotel, Ingrid Trotta, disse que gostava de Marina Silva e que pensava em votar na chapa socialista.

"Está todo mundo chocado", disse um funcionário do hotel, que foi cumprimentado pelo candidato na manhã desta quarta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.