Campos minimiza divergências com Marina

Ao lado de fazendeiros no Paraná, governador de Pernambuco diz que problemas em alianças regionais eram esperados

JULIO CESAR LIMA, ESPECIAL PARA O ESTADO / CURITIBA, PEDRO VENCESLAU, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2013 | 02h03

Um dia depois de divergir publicamente de Marina Silva pela primeira vez, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB-PE), disse ontem que a falta de consenso sobre a formação de palanques estaduais com a Rede já era uma situação esperada. "Nós fizemos a aliança em 5 de outubro. Há um projeto em que priorizamos o País, mas já sabíamos que iríamos conviver com algumas situações assim", disse o governador depois de participar de um evento com ruralistas em Curitiba.

Durante um ato conjunto do PSB e da Rede anteontem na capital paulista, Marina defendeu diante de Campos o lançamento de uma candidatura própria do PSB em São Paulo.

O governador, que negociava o apoio do seu partido à reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB) antes da entrada da ex-ministra na legenda, desconversou e disse que a prioridade devia ser o projeto nacional. Questionado novamente sobre a situação no Estado, Campos não quis opinar. O PSB paulista deseja ter a vaga de vice na chapa do PSDB.

Choque. A desavença sobre o quadro político paulista causou o primeiro choque entre dirigentes do partido e "marineiros". Um dos principais operadores políticos da Rede, o deputado federal Walter Feldman (PSB-SP) disse ao Estado que uma eventual aliança da sigla com o PSDB em São Paulo seria uma "poligamia explícita". "Apoiar o Geraldo seria uma poligamia explícita, já que o PSDB terá um candidato presidencial (Aécio Neves) e o PSB outro. Nós entraríamos na campanha com duas posições acumuladas."

Ainda de acordo com Feldman, que era do PSDB até 5 de outubro, a perspectiva de candidatura própria no Estado "é muito promissora".

O secretário-geral do PSB paulista, Wilson Pedro da Silva, rebate o deputado e afirma que o caminho do partido está "90% fechado com o Alckmin". "Somos nós que temos votos no congresso do PSB, que tomaremos essa decisão. É complicado um grupo chegar agora e dizer que não será assim", disse.

Reservadamente, dirigentes da Rede dizem que diante da imposição de uma eventual aliança do PSB com o PSDB em São Paulo, o grupo pode até fazer campanha para um candidato de outro partido. No Paraná, o cenário é parecido, pois a tendência do PSB é de apoiar a reeleição do tucano Beto Richa, mas os aliados de Marina tentam lançar um nome próprio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.