Campos atribui baixo índice nas pesquisas a desinteresse do eleitor

Mesmo com 9% de intenções de voto no último levantamento do Datafolha, ex-governador de Pernambuco afirmou que sua chapa vai vencer as eleições 'quando a sociedade começar a debater'

Daiene Cardoso e João Domingos, Agência Estado

03 de julho de 2014 | 17h07

Brasília - O candidato do PSB à presidência da República, Eduardo Campos, atribuiu o seu baixo desempenho nas pesquisas de intenção de voto ao desinteresse do eleitorado à sucessão presidencial, no atual momento. A pesquisa Datafolha divulgada na quarta-feira,2, mostra que Campos aparece com 9% das intenções de voto, atrás do tucano Aécio Neves (20%) e da presidente Dilma Rousseff (38%). "A essa altura, (o eleitor) ainda está distante do processo eleitoral", respondeu.

Para o candidato, ainda há um nível muito grande desconhecimento do eleitorado sobre os candidatos à sucessão. "Quando a sociedade começar a debater (a sucessão), conhecer a nossa aliança, vamos ganhar a eleição", declarou Campos. Segundo o pessebista, o debate intenso só deve acontecer entre o final de agosto e começo de setembro.

A pesquisa divulgada na quarta apontou que o ex-governador oscilou dois pontos percentuais, saindo de 7% para 9% em relação ao levantamento anterior, feito no início de junho, pelo Datafolha. 

Campos admitiu dificuldade em fazer campanha com apenas dois minutos de tempo de televisão, mas ressaltou que sua chapa prefere pouco espaço televisivo a "alianças fisiológicas". "Mais difícil fazer a campanha com dois minutos de TV. Mas para fazer o governo, será muito melhor, porque vamos fazer um governo sem as amarras e os compromissos de quem troca tempo de tevê por propostas fisiológicas", afirmou.

Na avaliação do candidato, o eleitor brasileiro fará a opção pelo "novo" e se identificará com a campanha do PSB, que terá um enfoque no combate à corrupção e à paralisia da economia, além da manutenção dos programa sociais bem sucedidos do governo federal. "É melhor ter dois minutos e poder entregar ao povo do que ter dois minutos de tevê e frustrar a população depois de ganhar a eleição", emendou.

Nesta tarde, Campos protocolou junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) o pedido de registro da candidatura. Acompanhado de sua vice de chapa, Marina Silva, e de aliados, Campos entregou também as diretrizes que nortearão o seu programa de governo, a ser finalizado ainda neste mês. O candidato aproveitou a passagem pelo TSE para cumprimentar o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli.

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesEduardo CamposMarina Silva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.