Campo Grande terá segundo turno entre PSD e PSDB

Marcos Marcello Trad (PSD) e Rosiane Modesto de Oliveira (PSDB) decidem eleição no MS

Lucia Morel, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2016 | 22h09

O primeiro turno em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul (MS), terminou com a corrida eleitoral seguindo para o segundo turno entre Marcos Marcello Trad (PSD) e Rosiane Modesto de Oliveira (PSDB). Marquinhos teve 147.694 votos, que corresponde a 34,57% e Rose finalizou com 113.738 votos, o mesmo que 26,62%.

Marquinhos é irmão do ex-prefeito da Capital, Nelson Trad Filho (PTB) e liderou todas as pesquisas de intenção de voto desde o início da campanha eleitoral. Ele é advogado e também deputado estadual. É a primeira vez que concorre a um cargo no Poder Executivo.

Recentemente foi acusado de ser funcionário fantasma da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul, onde foi contratado na década de 80 quando seu pai, ex-deputado federal Nelson Trad Filho, já falecido, era parlamentar estadual.

Rose Modesto (PSDB) é professora e apoiada pelo governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), que nas eleições municipais de 2012 ficou em terceiro lugar. Em 2014, surpreendentemente, foi eleito chefe do Executivo estadual. Justamente essas reviravoltas fortaleceram a aposta tucana na candidata, que é atual vice-governadora.

Ela já passou pela Câmara de Vereadores, onde estava em 2014, quando votou pela cassação do atual prefeito, Alcides Bernal (PP), que está fora da disputa e que voltou à cadeira do Executivo municipal através de liminar, em agosto do ano passado. O nome de Rose aparece entre os investigados na Operação Coffee Break, que apura recebimento de propina por vereadores para votarem na cassação de Bernal.

O atual prefeito, que nas últimas eleições municipais venceu em segundo turno e quebrou hegemonia de 20 anos do PMDB em Campo Grande, passou perto de seguir na disputa e teve 107.130 mil votos (25,73%).

Nesta eleição, 114.286 (19,20%) deixaram de votar. Brancos e nulos somaram 17.619 (3,66%) e 36.017 (7,49%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.