Dida Sampaio/Estadao
Dida Sampaio/Estadao

Campanhas veem internet como canal para polarizar discurso nas eleições 2018

Tendência é que o horário eleitoral gratuito seja usado para peças que visem construir positivamente a imagem dos candidatos, enquanto eventuais ataques aos adversários tendem a se difundir na web

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

05 Julho 2018 | 19h02

Diante da expectativa de uma campanha mais pulverizada no rádio e na televisão nas eleições 2018, as principais campanhas ao Palácio do Planalto enxergam na internet um canal para tentar difundir o discurso de polarização. De acordo com integrantes de algumas das campanhas melhor posicionadas na disputa pelo Palácio do Planalto, a tendência é que o horário eleitoral gratuito seja usado prioritariamente para peças que visem construir positivamente a imagem dos candidatos, enquanto eventuais ataques aos adversários tendem a se difundir na web e nas redes sociais.

Nas últimas eleições, a ação nas redes sociais replicou em grande parte a tradicional polarização entre PT e PSDB. Neste ano, entretanto, o cenário tende a mudar, na avaliação do secretário de Comunicação do PT, Carlos Árabe. Segundo ele, a presença do PT na rede se dá graças à uma militância digital grande e atuante. "Além da nossa, só tem a da extrema-direita, que é representada por Jair Bolsonaro", compara, em referência ao presidenciável do PSL. Ele acrescenta que a polarização que vai marcar as eleições deste ano terá como consequência o grande engajamento da juventude. "Então, temos investimento enorme nesse grupo pela internet", disse.

Apesar disso, o dirigente petista não crê que as redes serão capazes de se contrapor aos meios de comunicação ou ao horário eleitoral. "Acreditamos muito na importância da internet, mas ela não será uma tábua de salvação, não vai compensar a desigualdade que observamos na cobertura dos meios comerciais".

++ Centrão indica a Alckmin estar mais próximo de apoiar Ciro

A opinião é compartilhada pela campanha do tucano Geraldo Alckmin. Segundo um dos encarregados de montar a estratégia de comunicação do ex-governador, é difícil imaginar que o Brasil conheça um fenômeno parecido com a de eleições recentes de outros países como Estados Unidos e França, onde as redes tiveram papel importante, uma vez que essas nações não oferecem horário gratuito eleitoral. "A TV é tão poderosa no Brasil que define na cabeça do eleitor quem são os candidatos e qual é a importância deles no cenário eleitoral", afirma.

O integrante do estafe de Alckmin concorda que as redes e seus produtos específicos — como memes e os "discursos apócrifos" ou fake news — servem mais para desconstruir a imagem dos candidatos e acabam beneficiando aqueles de postura mais radical, "que fazem mais barulho". "Mas isso não reflete a postura da sociedade como um todo", salienta.

++ Presidente do PRB admite divisão do 'centrão' e fala em decisão após a Copa

Essa característica de polarização na internet é expresso nos levantamentos feitos pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas (Dapp) da Fundação Getúlio Vargas (FGV) para o Estadão/Broadcast. O ex-presidente Lula (PT), condenado e preso pela Operação Lava Jato e o deputado Jair Bolsonaro (PSL) — lados opostos do espectro político — lideram e com folga o ranking de presença online. Seus nomes têm gerado rotineiramente, ao longo do ano, entre 30 mil e 40 mil tuítes por semana, em média, ao passo que os próximos três melhores colocados — Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB) - usualmente geram menos de 10 mil menções.

Impulsionamento

Por outro lado, as novas regras eleitorais deste ano podem ajudar os partidos a trabalharem o discurso propositivo na internet. A partir deste ano, as campanhas ganharam a possibilidade de pagar para impulsionar propaganda no Facebook. Ao contrário do que acontece na TV e no rádio, onde a mesma mensagem precisa chegar a todo o eleitorado, a internet permite que os diferentes públicos sejam divididos e trabalhados conforme suas especificidades — um discurso para os jovens, outro para os idosos, por exemplo.

++ Alckmin minimiza resultado de pesquisas e enaltece alianças por tempo de rádio e TV

A campanha de Marina aposta nisso. "O impulsionamento de mensagens será feito para potencializar a disseminação das propostas para públicos específicos. As mensagens personalizadas serão baseadas em conteúdos programáticos e orientadas pelo uso ético da tecnologia e o compromisso já estabelecido por Marina de não fazer uso da violência e nem propagar mentiras contra adversários", declarou a campanha da ex-senadora, por e-mail.

O estafe de Ciro Gomes também trabalha com esse potencial. "A internet é basicamente para propagar conteúdo, o projeto nacional de desenvolvimento que o Ciro tem para o Brasil", disse Vicente Gioielli, assessor do ex-governador. "Ciro tem feito desde o ano passado lives respondendo a perguntas de internautas, ainda não patrocinou nenhum conteúdo nas redes, mas é natural que em breve comece a fazê-lo", disse.

++ ‘Se Deus quiser, Josué não vai concorrer’, diz mãe de empresário

Árabe, do PT, afirma que o partido não trabalhou com essa ferramenta até o momento e diz que seu uso ainda "é algo "a ser avaliado", dado o tamanho da militância petista já engajada online. "Em alguns momentos, nossas redes conseguiram bater alguns canais importantes de comunicação em audiência com a transmissão de eventos pela internet", comemorou. Procurada, a campanha de Bolsonaro não quis se pronunciar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.