Marcos Arcoverde|Estadao
Marcos Arcoverde|Estadao

Campanhas foram mais sóbrias, modestas e com ruas mais limpas, diz Gilmar Mendes

Presidente do TSE avaliou que as eleições de 2016 transcorreram em "clima de normalidade e paz"

Beatriz Bulla, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2016 | 21h27

Brasília - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes, disse que as campanhas eleitorais deste ano foram "mais modestas" e as ruas ficaram mais limpas, sem distribuição dos chamados "santinhos" da forma como visto em anos anteriores. Ele mencionou que a redução das doações eleitorais em razão do fim do financiamento empresarial das campanhas. O presidente da Corte eleitoral avaliou que as eleições de 2016 transcorreram em "clima de normalidade e paz".

"Tivemos campanhas mais modestas, sem sinais exteriores de riquezas. Não houve poluição visual, aquela distribuição de papeis. São sinais positivos nesse quadro um tanto quanto confuso da mudança da legislação", afirmou Mendes.

Ele anunciou que as doações eleitorais declaradas neste ano chegaram a R$ 2,3 em 2016. Em 2012, as doações chegaram aos R$ 6 bilhões. "Nota-se uma redução significativa quanto aos gastos nesse período", disse Gilmar.

"A redução dos gastos de campanha, a obrigatoriedade de se ter eleições mais modestas deve ter tido também um efeito nisso (eleições em clima de normalidade), tivemos campanhas mais sóbrias, mais modestas, as ruas mais limpas", afirmou.

Mendes mencionou a atenção sobre as prestações de contas e fraudes identificadas em doações, como doadores que constam nos bancos de dados de programas sociais ou cadastros de óbitos do País. "Estamos fazendo esforço para a prestação de contas deixar de ser 'faz de contas'", disse o ministro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.