Dida Sampaio/Estadao
Dida Sampaio/Estadao

Campanha tucana deve propor tributação de dividendos

Segundo o coordenador econômico de Alckmin, Persio Arida, medida pode compensar a redução do imposto de renda de pessoa física, proposta nesta quarta-feira pelo tucano

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

04 Julho 2018 | 12h35

BRASÍLIA - Coordenador do programa econômico do pré-candidato à Presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB), o economista Persio Arida disse, nesta quarta-feira, 4, que a campanha tucana deverá propor a tributação de dividendos como forma de compensar uma redução no imposto de renda de pessoa jurídica.

++ Bolsonaro pede apoio a nomes de peso do PIB nas eleições 2018

++ Bandeira liberal perde força com piora da economia

A medida de redução do IR corporativo foi anunciada por Alckmin hoje durante evento com empresários da indústria, promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O ex-governador de São Paulo não havia explicado para os empresários, no entanto, qual seria o cálculo utilizado para compensar essa medida. Arida também não quis adiantar, por enquanto, quais devem ser as alíquotas utilizadas nessa proposta.

"Vou reduzir o imposto de renda da pessoa jurídica. Veja que nos EUA o presidente Trump reduziu o imposto corporativo. Temos de estimular novos investimentos. Venha para cá. Para investir. Quem vai se beneficiar com isso é a dona Maria e o seu José, com preços mais baixos", defendeu Alckmin, mais cedo, diante de uma plateia formada por empresários da indústria.

++ Persio Arida diz que privatizar todas as estatais é um 'equívoco'

A ideia de tributar lucros e dividendos é algo que já vem sendo analisado pela equipe econômica do governo Michel Temer. Segundo os cálculos do Ministério da Fazenda, a medida poderia render ao menos R$ 15 bilhões em 2018 aos cofres públicos. Há resistências, porém, contra esse tipo de proposta dentro e fora do governo, especialmente de grupos empresariais. Apesar disso, a ideia tem o apoio da Receita. Para entrar em vigor, seria necessário aprovar um projeto de lei ordinária. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.