Campanha de Marta acusa mídia de insinuar sobre propaganda

Nota repudia o que chama de 'insinuações' da campanha da petista na TV que questiona estado civil de Kassab

da Redação

13 de outubro de 2008 | 18h08

A campanha da candidata do PT à Prefeitura de S.Paulo, Marta Suplicy,  divulgou nota nesta segunda-feira, 13, repudiando o que chamou de "insinuações" da mídia sobre a propaganda na TV levada ao ar pelo PT no último domingo.  "A equipe de marketing, ao perguntar sobre o estado civil do candidato Gilberto Kassab, em meio a uma série de outros questionamentos, apenas defendeu o legítimo direito do eleitor conhecer, em todos os aspectos possíveis, a história de quem se apresenta para governar a maior cidade do País", disse.   Veja também: Blog: Leia os principais momentos do debate na Bandeirantes  'Eu prometo' traz as promessas de Marta e Kassab  Geografia do voto: Desempenho dos partidos nas cidades brasileiras  Confira o resultado eleitoral nas capitais do País As principais promessas dos candidatos     A nota assinada pelo coordenador Carlos Zarattini repudiou, "veementemente, as insinuações que alguns veículos têm feito a respeito".   "O candidato Gilberto Kassab dedica-se, em sua campanha, a esconder sua trajetória e companhias, seus compromissos e lealdades, vendendo gato por lebre ao eleitor", afirma o comunicado. Segundo o coordenador-geral da campanha de Marta, o prefeito de São Paulo esconde a condição de "filhote do malufismo, de braço direito do ex-prefeito Celso Pitta, de integrante do partido mais conservador do País".   Diz ainda o texto que Kassab "esforça-se para iludir os paulistanos com promessas falsas, jogando para debaixo do tapete seus próprios atos como governante". "As insinuações absurdas e cínicas sobre invasão de privacidade do outro candidato são inaceitáveis", afirmou Zarattini, na nota, ressaltando que a candidata do PT à Prefeitura de São Paulo "foi vítima constante do preconceito e da intriga, patrocinados, ironicamente, pelos mesmos setores que hoje apóiam Kassab".   (Com Agência Estado)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.