Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Campanha de Marina reforçará nº do PSB para evitar erros

Partido quer que eleitores tenham na cabeça que o 40 é o número da atual segunda colocada nas pesquisas de intenção de voto

DAIENE CARDOSO, Estadão Conteúdo

25 de setembro de 2014 | 18h05

No momento em que a campanha presidencial do tucano Aécio Neves enfatiza no rádio e na TV que sua adversária do PSB, Marina Silva, foi filiada ao PT, a coordenação da campanha descobriu que a ex-senadora ainda é associada ao 13 da antiga sigla e teme que o eleitorado menos esclarecido cometa o erro que pode custar sua ida ao segundo turno da sucessão presidencial. Nos próximos dias, a campanha do PSB vai reforçar o número da legenda para evitar que no dia 5 de outubro o eleitor de Marina digite na urna eletrônica um número diferente do 40.

Os coordenadores da campanha já autorizaram a gravação de inserções de rádio e TV enfatizando o número do PSB. A ordem é "cansar" os ouvidos do eleitorado até às vésperas do primeiro turno. "A prioridade absoluta agora é o 40. É 40 para todo lado", afirmou o coordenador adjunto da campanha, Walter Feldman.

Faltando 10 dias para o primeiro turno, colaboradores da campanha se deram conta de que muitos eleitores - principalmente os que vivem nas regiões mais distantes dos centros urbanos - ainda não sabem o número da chapa. "A maior reclamação (dos apoiadores) é sobre o número dela. As pessoas não sabem que é 40", comentou Feldman. 

Marina foi filiada ao PT por 27 anos e, em 2009, deixou o partido para se filiar ao PV. Em 2010, a ex-senadora disputou a Presidência da República pela primeira vez com o número 43 do PV.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.