Valéria Gonçalvez / Estadão
Valéria Gonçalvez / Estadão

Campanha de Covas sai da zona de conforto no 2º turno para enfrentar aliança da esquerda

Definido o rival, PSDB reforçou imagem Covas como herdeiro da política moderada e de centro

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2020 | 05h00

A ideia original do PSDB no dia 15 de novembro, data do primeiro turno das eleições municipais, era que Bruno Covas participasse de uma entrevista coletiva apenas com jornalistas depois de anunciado o resultado da primeira etapa. Por causa da pandemia do novo coronavírus, o comando da campanha pretendia, com isso, apenas cumprir o ritual para as câmeras, em vez de fazer uma grande festa, como reza a tradição tucana.

Mas com as pesquisas de boca de urna apontado um crescimento de Guilherme Boulos (PSOL) acima do esperado, os tucanos mudaram de ideia, e o presidente do partido da capital, Fernando Alfredo, fez uma convocação de última hora para a “militância” comparecer ao diretório.

Diante da perspectiva de um segundo turno contra Boulos, de fato concretizada, o PSDB estabeleceu a mobilização de rua como prioridade para conter eventual nova onda da esquerda na capital paulista.

Estratégia

Do ponto de vista estratégico, as linhas gerais da narrativa da campanha de Covas no segundo turno foram definidas ainda durante a apuração, no apartamento do coordenador do grupo, Wilson Pedroso. Covas foi obrigado a sair de sua zona de conforto para enfrentar uma aliança combativa de esquerda. A ideia de colar a pecha de radical e extremista em Boulos foi o caminho escolhido para apresentar Covas como um nome moderado, agregador e “de centro”.

“A estratégia deles foi alimentar a polarização. A postura do PSOL nas redes sociais não foi diferente da que eles criticam no bolsonarismo”, disse o publicitário Felipe Soutello, coordenador de comunicação da campanha tucana. “Bruno entrou com 26 representações judiciais e direitos de resposta e teve 14 favoráveis. Boulos entrou com 20 e perdeu todas.”

Para fazer frente à estratégia do PSOL de dar protagonismo a ex-prefeita Luiza Erundina, candidata a vice de Boulos, a campanha de Covas escalou a também ex-prefeita petista Marta Suplicy, que ganhou até um carro adaptado para fazer campanha na periferia sem correr o risco de ser contaminada pelo coronavírus. “Marta representa simbolicamente que nossa candidatura está no campo progressista”, disse Pedroso. Antes da campanha, Marta tentou ser vice do tucano, mas as negociações não avançaram.

Caminhadas

Em tempos de pandemia e exaltação às estratégias digitais, Covas adotou uma campanha à moda antiga. Aqueceu a atuação presencial nos 56 diretórios zonais do partido, fez carreatas e caminhadas com até 1.800 pessoas. Apesar do desgaste provocado pelas imagens de aglomeração, a ideia foi mostrar volume para fazer frente ao crescimento de Boulos nas pesquisas. Nas agendas, Covas fez uma campanha formatada para as redes de TV, com caminhadas tão rápidas que, em alguns bairros, não chegavam a completar um quarteirão – menos de 15 minutos.

Um dos temas que perseguiram Covas no segundo turno foi a decisão do governo estadual de adiar para o dia 30, seguinte ao segundo turno, o anúncio de possível mudança de fase no Plano SP, que pode endurecer as regras da quarentena. O candidato do PSDB se esforçou para minimizar os riscos de uma segunda onda.

“Não vamos fazer discurso alarmista em véspera eleitoral, superestimando esses dados. Também não vamos fazer discurso de que a pandemia acabou. A gente continua a enfrentar esse desafio”, repetiu.

A campanha de Boulos também atacou o candidato a vice de Covas, o vereador Ricardo Nunes (MDB). O discurso adotado foi o de que Nunes não foi condenado a nada. O prefeito chegou a perder a paciência ao falar sobre isso em uma entrevista na rádio CBN.

Em tratamento contra um câncer no trato digestivo, Covas teve de fazer sessão de imunoterapia em plena reta final da campanha. “Deu tudo certo e estou liberado”, disse ele na quarta-feira. No mesmo dia, anunciou que vai pagar o auxílio emergencial municipal de R$ 100 no início de dezembro, em parcela única, via contas dos beneficiários – não sem antes ressaltar que o projeto, aprovado pela Câmara Municipal, foi uma iniciativa do vereador petista Eduardo Suplicy.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.