Cabral aposta em Paes para reduzir derrotas eleitorais

Derrotado na disputa pelas principais prefeituras da Região Metropolitana do Rio - à exceção da capital -, o governador Sérgio Cabral (PMDB) precisará da vitória de Eduardo Paes (PMDB) no segundo turno contra Fernando Gabeira (PV) pela prefeitura carioca para não chegar em desvantagem à eleição de 2010. O PMDB e os aliados do governo estadual foram varridos dos principais colégios eleitorais que escolheram seus prefeitos já no domingo e formarão um cinturão de máquinas eleitorais potencialmente hostis com 35% do eleitorado - a capital tem 40%.Se perder a sucessão de Maia, o governador se limitará às máquinas estadual e de prefeituras de menor peso. O número de vitórias do PMDB no primeiro turno também encolheu, de 41 em 2004 para 32 em 2008. Nessas 32 cidades, porém, o partido expandiu a votação de 836.420 para 1.832.979 votos. A lista de derrotas do governador inclui colégios eleitorais numerosos, como Nova Iguaçu, onde Lindberg Farias (PT) venceu o peemedebista Nelson Bornier; Duque de Caxias, onde José Camilo Zito (PSDB) derrotou Washington Reis (PMDB); e São Gonçalo, onde Aparecida Panisset (PDT) superou Graça Mattos, também do PMDB. O governador perdeu com outros partidos em outras cidades importantes: em Niterói, onde apoiou o petista Rodrigo Neves, e em São João de Meriti, onde apoiou Marcelo Simão (PHS). O PMDB perdeu em Belford Roxo e na Região Serrana, Teresópolis. Em outras 23 cidades onde disputou com candidato próprio, o PMDB foi derrotado. Somada a votação nos 55 municípios, foram 2.551.662 votos, contra 1.617.978 em 2004. A conta exclui cidades onde o PMDB integrou a coligação sem ser cabeça e outras com problemas judiciais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.