Briga na cúpula do BB tem de acabar, diz Mantega

Ministro da Fazenda nega que Dilma tenha pedido demissões de executivos, mas reconhece que confusão pode prejudicar banco e fundo de pensão

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2012 | 03h05

A briga por poder no Banco do Brasil e na Previ precisa acabar. O ultimato é do ministro da Fazenda, Guido Mantega. Em tom mais duro que o visto nos últimos dias, o ministro responsável pelos bancos federais disse que a disputa entre os presidentes do BB e do fundo de pensão "pode prejudicar" as duas casas e que, por isso, a briga "tem que acabar". Para Mantega, a crise nasceu por "fofocas".

"Essa crise é de fofocas porque, de fato, as duas instituições estão funcionando muito bem. Isso é que é importante para o governo", disse Mantega, ontem, durante o anúncio de medidas para conter a queda do preço do dólar. Apesar de minimizar o alcance da crise que tem incomodado inclusive a presidente Dilma Rousseff, o ministro reconheceu que é preciso agir para acabar com a confusão. "Mas, enfim, vamos ter de lidar com isso. Essa situação tem que acabar."

O principal temor do ministro é que a disputa por poder comece a prejudicar o funcionamento do maior banco brasileiro e do maior fundo de pensão da América Latina, composto por funcionários do próprio BB.

"A situação pode prejudicar e o governo não quer que a situação atrapalhe as instituições", argumentou o ministro.

Por enquanto, o governo diz que BB e Previ seguem a vida normalmente. Para Mantega, o BB apresenta "desempenho excelente" com resultados positivos, aumento do crédito, redução dos juros e rentabilidade elevada. "E a Previ também está cumprindo o seu papel".

Panos quentes. Durante a entrevista, Guido Mantega negou que a presidente Dilma Rousseff tenha pedido a ele a saída de executivos das instituições como forma de acabar com a disputa de poder entre Aldemir Bendine, presidente do BB, e Ricardo Flores, principal executivo da Previ. "A presidente Dilma não pediu para fazer nenhuma demissão", desconversou o ministro da Fazenda.

Ontem, reportagem do Estado revelou que a presidente Dilma mandou Mantega afastar o vice-presidente de Governo do Banco do Brasil, Ricardo Oliveira, por causa da crise. Conhecido como Ricardo Gordo, o executivo deve ser a primeiro dirigente a cair pela disputa cujo lance mais forte foi a divulgação de dados bancários de envolvidos. / FERNANDO NAKAGAWA, RENATA VERÍSSIMO e ADRIANA FERNANDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.