Brasil pedirá aos EUA dados sobre 'cônsul'

Comissão da Verdade quer que governo Obama esclareça papel do agente Halliwell, que visitava o Dops-SP nos anos 1970

VANNILDO MENDES / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2013 | 02h10

O envolvimento do ex-diplomata americano Claris Halliwell com a ditadura militar brasileira está causando embaraço diplomático entre os dois países e, para evitar mal entendidos, a Comissão Nacional da Verdade (CNV) vai pedir ao governo dos EUA, via Itamaraty, ajuda nas investigações, diante da recusa do Consulado-Geral dos EUA em São Paulo em atender aos pedidos da comissão.

A estratégia para acertar a colaboração americana, que começou a ser discutida ontem, será fechada na terça-feira, em reunião da CNV com o coordenador da Comissão Estadual da Verdade da Assembleia Legislativa de São Paulo, Ivan Seixas. Se a via diplomática não for suficiente, as duas comissões vão discutir meios legais de cobrar explicações do governo americano. Um dos caminhos seria acionar, pelo Ministério da Justiça, o acordo de cooperação jurídica internacional entre os dois países.

A estratégia foi anunciada ontem, no primeiro balanço do ano sobre o assunto, que reuniu 30 comissões, entre estaduais e municipais. No encontro, a CNV informou que dezenas de agentes da repressão, já identificados, serão convocados para depor, entre militares, policiais e civis. Entre estes estariam empresários que financiavam a repressão, cediam imóveis para torturas ou até participavam de ações. Até agora, a comissão tomou 40 depoimentos, entre vítimas e acusados de autoria de crimes. Cerca de 50 mil pessoas, segundo a comissão, teriam sofrido algum tipo de abuso durante a ditadura.

Protagonismo. Documentos revelados domingo pelo Estado mostram que o Departamento de Ordem Política e Social (Dops) de São Paulo registrou visitas regulares de Claris Halliwell, identificado como "cônsul", à sua sede entre 1971 e 1974. Na época, o local funcionava como um centro de torturas. Outros documentos, localizados pela Comissão Estadual, mostram que o ex-diplomata tinha protagonismo político no Brasil desde antes do golpe militar: já em 1958 ele intermediou o encontro de uma missão do Departamento de Estado com o presidente Juscelino Kubitschek.

Ivan Seixas informou que a relação Halliwell-Dops precisa ser melhor esclarecida, pois algumas de suas visitas coincidiram com desaparecimento de presos políticos, como foi o caso de Devanir José de Carvalho. Falecido em 2006, Halliwell teria tido contato com outros golpes de Estado na América Latina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.