Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Boulos nega ter cancelado agendas públicas após dizer que não faria atos de rua

Campanha disse que redobrou ‘cuidados’ em relação ao distanciamento; aliada que participou de atividade na sexta testou positivo para covid-19, e candidato deve fazer exame

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2020 | 21h16

Um dia depois de dizer que não fazia mais agendas públicas de rua por precaução contra a covid-19 o candidato do PSOL à Prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos, disse nesta quarta-feira, 25, que não cancelou atividades de campanha.

“A única precaução que nossa campanha tomou foi redobrar os cuidados em relação ao distanciamento e evitar agendas abertas que possam causar maior aglomeração nas calçadas e nas ruas”, disse o candidato depois de se reunir com cerca de 30 mulheres lideres comunitárias no salão de uma igreja em Itaquera, Zona Leste.

Na véspera, Boulos disse textualmente: “tomamos uma decisão de, até sair o resultado (do teste para covid-19), não fazer agendas públicas de rua”. O motivo da precaução foi o resultado positivo dos testes feitos pela deputada Sâmia Bonfim (PSOL-SP) que participou de uma atividade da campanha de Boulos na sexta-feira.

O exame do candidato ainda não foi agendado por falta de tempo e deve ser feito nesta quinta-feira, 26. Ele não tem sintomas da doença e deve participar de um encontro com comerciantes amanhã e a campanha prevê a possibilidade de uma carreata no sábado, véspera da eleição.

Essa não é a primeira vez que Boulos recua de declarações feitas durante a campanha. Na semana passada, em sabatina do Estadão, ele disse que “fazer concurso é uma forma de arrecadar mais para a previdência pública e você equilibrar a conta com os inativos”. A declaração foi alvo de críticas até de economistas ligados ao PSOL. No primeiro momento, Boulos disse que a afirmação foi “tirada do contexto”, depois admitiu que se expressou mal.

Para Entender

Veja propostas de Guilherme Boulos

Confira quais são os principais pontos do plano de governo do candidato do PSOL para a Prefeitura de São Paulo nas áreas da Saúde, Educação, Emprego, Transporte, Segurança, Meio Ambiente e Habitação

Segundo relatos de mulheres que participaram da reunião com Boulos nesta quarta-feira, 25, o candidato voltou a falar sobre o boletim de ocorrência registrado em 2011 por Regina Carnovale, mulher de Ricardo Nunes, vice de Bruno Covas, por violência doméstica.

Na reunião, o candidato fez uma série de promessas para combater a violência contra as mulheres como a ampliação da Patrulha Guardiã Maria da Penha na Guarda Civil Metropolitana (GCM), abertura de mais casas de acolhimento para mulheres vítimas de violência doméstica e o registro de casas construídas em ações de moradia da prefeitura no nome das esposas para que elas não tenham que deixar seus lares em casos de brigas e desentendimentos.

Depois do evento, Boulos foi questionado duas vezes por jornalistas estrangeiros que acompanham a reta final da campanha em São Paulo sobre as notícias que circulam na Europa de que o líder do MTST seria o “novo Lula”. Boulos rechaçou a comparação. “Tenho muito respeito mas cada um de nós construiu a sua própria trajetória”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.