Yuri Silva/Estadão
Yuri Silva/Estadão

Boulos discute divisão de fundo eleitoral em visita à Bahia

Pré-candidato do PSOL afirmou que partido deve lançar 50 candidatos a deputado federal e 80 para o legislativo estadual no Estado

Yuri Silva, O Estado de S.Paulo

06 Junho 2018 | 18h33

SALVADOR – A ampliação da bancadas parlamentares do PSOL nos legislativos nacional e estadual foi ponto central das conversas do candidato do partido à Presidência, Guilherme Boulos, com correligionários durante sua viagem à Bahia. Além disso, foi discutida a divisão dos R$ 21 milhões do fundo eleitoral aos quais a legenda tem direito.

+ Partidos querem ampliar fundo público eleitoral

O objetivo principal do PSOL em relação ao fundo eleitoral é que o partido consiga transpor a cláusula de barreiras, para não deixar de receber recursos - o que significaria a inviabilização da sigla. Nesse cálculo eleitoral, afirmou o vereador Hilton Coelho, a Bahia ficou com a responsabilidade por eleger pelo menos um deputado federal, além de elevar sua presença no legislativo estadual.

Para tentar chegar ao quociente eleitoral necessário, o partido lançará na Bahia 50 candidatos a deputado federal e 80 ao Legislativo Estadual.

+ Saúde e educação perdem R$ 472 milhões para campanhas

Boulos afirmou que o PSOL não poupará o governador da Bahia, Rui Costa (PT), candidato à reeleição. A candidatura de Marcos Mendes ao governo pelo PSOL, segundo o líder dos sem-teto, "terá a função de apontar os limites da gestão" do petista.

Nas reuniões entre o presidenciável e correligionários baianos, ficou acertado que o Rio de Janeiro será a prioridade do PSOL entre os Estados em que o partido terá candidatos nas eleições majoritárias. São Paulo, Rio Grande do Sul e Bahia farão parte de uma segunda faixa de prioridades.

"Nós estamos disputando essa posição de segunda prioridade, pelo grau de importância grande que a gente sempre teve e o desempenho positivo", afirmou o pré-candidato do PSOL ao governo da Bahia, Marcos Mendes, um dos responsáveis por receber o líder sem-teto no Estado. Boulos, porém, negou que discutiu esse assunto com os correligionários baianos.

Protesto

Na manhã desta quarta-feira, 6, Boulos participou de uma ocupação no canteiro de obras do BRT de Salvador. A manifestação, promovida por ambientalistas e movimentos sociais, pedia a discussão de alternativas para a mobilidade em Salvador e a interrupção da obra, de responsabilidade da prefeitura de da capital baiana, que tem sido criticada por ocasionar a derrubada de centenas de árvores na cidade.

+ Fundo público eleitoral dá mais dinheiro a 21 partidos

Financiada pela Caixa Econômica Federal, a obra, que inclui a construção de viadutos, é uma das apostas da segunda gestão do prefeito ACM Neto (DEM) para tentar melhorar o trânsito e o transporte público na cidade. Sem citar o nome de Boulos, a prefeitura de Salvador emitiu nota qualificando o protesto como "eleitoreiro".

Relembre 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.