Katna Baran/Estadão
Katna Baran/Estadão

'Bolsonaro tem o discurso liberal, a gente tem a prática', diz Amoêdo em Pernambuco

Candidato à Presidência pelo partido Novo cumpre agenda de campanha com militantes no Recife

Kleber Nunes, O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2018 | 18h20

RECIFE – O candidato à Presidência da República João Amoêdo (Novo) disse nesta quinta-feira, 30, no Recife, que a diferença entre ele e o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) é que seu adversário nas eleições 2018 tem “apenas o discurso liberal”, enquanto ele “tem a prática”. Amoêdo também sinalizou que não pretende apoiar Bolsonaro caso ele vá para o segundo turno.

“Tenho dúvidas (de que ele viva) na prática uma filosofia liberal, porque não é isso que ele faz nesses anos de atuação, quase 30 como deputado federal. Acho que é muito discurso, a gente tem a prática. Qualquer alinhamento que a gente vier a fazer (no segundo turno) tem que ser em cima das ideias, não julgo nenhum político pelo o que ele fala, mas pelo o que ele fez ou pelo o que ele faz”, afirmou.

Com 1% das intenções de voto segundo a última pesquisa Ibope, Amoêdo tenta crescer entre os eleitores direita, espectro em que Bolsonaro também trabalha. O candidato do Novo disse estar otimista em figurar no segundo turno no lugar de Bolsonaro e, por isso, tem sido alvo de ataques desferidos por apoiadores do deputado.

“A gente tem recebido ataques ao que tudo indica de militantes do Bolsonaro, fazendo dossiê mentirosos sobre o passado, sobre como eu obtive o meu patrimônio, minha preferência (política) e fazendo montagens com declarações que eu disse para buscar uma diferenciação do candidato deles. Vamos enfrentar com coerência, transparência e educação sem entrar nesse tipo de briga, não gastando nosso tempo querendo desmentir o que não tem o menor sentido”, afirmou.

Depois de passar por Fortaleza na quarta-feira, 29, Amoêdo desembarcou no Recife para cumprir uma agenda restrita a militantes. No aeroporto, o candidato foi recebido por cerca de 40 apoiadores, uma parte deles de candidatos a deputados estaduais e federais por Pernambuco. Amoêdo almoçou no terminal, onde passou quase despercebido por funcionários e passageiros.

No comitê do partido, o candidato voltou a criticar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), condenado e preso pela Operação Lava Jato, e reafirmou as promessas de privatizar a Petrobrás e a Eletrobrás, reduzir o governo federal a 12 ministérios, liberar o porte de armas de fogo, transformar o Palácio do Planalto em museu e fazer a reforma da Previdência.

“O que falta no Nordeste é o que falta no Brasil, liberdade para empreender. Vamos facilitar o empreendedorismo e capacitar as pessoas. O Pronatec tem uma evasão de 80% segundo o Ministério da Educação; vamos melhorar esse processo”, disse Amoêdo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.