Alex Silva/Estadão/Divulgação
Alex Silva/Estadão/Divulgação

Bolsonaro também questiona no TSE propaganda eleitoral do PT

Assim como o Partido Novo, coligação de Jair Bolsonaro (PSL) também entrou com ação no TSE pedindo suspensão da propaganda eleitoral do PT

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

02 Setembro 2018 | 20h22

O candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), e sua coligação 'Brasil Acima de Tudo, Deus Acima de Todos' entraram com ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra a propaganda eleitoral do PT veiculada na televisão, pendido sua suspensão. A representação, segundo os advogados eleitorais do presidenciável, foi protocolada na noite deste domingo, 02.

Assim como o Partido Novo, a defesa de Bolsonaro questiona a aparição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso e condenado na Lava Jato, no programa, entendendo que o modo como foi exposto o petista afronta a decisão do TSE. Em sessão finalizada na madrugada deste sábado, a Corte Eleitoral negou o pedido de registro de candidatura do petista e proibiu que o ex-presidente apareça no horário eleitoral do PT como candidato. 

Segundo os advogados de Bolsonaro, o vídeo da propaganda apresentado neste sábado, no período da tarde, veicula aos eleitores a ideia de que o candidato está solto, desqualifica o Poder Judiciário, usa mais de 70% do tempo de bloco com cenas externas, manipula a situação jurídica e tenta "macular a ordem democrática do País". 

"Esse tipo de propaganda irregular não pode ser admitido por esta Corte, por possuir computação gráfica, efeitos especiais, bem como não cumprir o tempo mínimo em que o candidato deve expor suas propostas.", afirmam.

Além de pedir que seja retirada do ar, os advogados do presidenciável pedem a que coligação com o PT seja penalizada com a perda de tempo de propaganda equivalente ao dobro do usado no vídeo com Lula.

Novo também apresentou pedidos contra propaganda do PT

Também neste domingo, o Novo apresentou três pedidos no TSE contra a propaganda eleitoral do Partido dos Trabalhadores: uma representação para suspender propagandas na TV, que está sob relatoria do ministro Carlos Bastide Horbach; outra pela retirada de programas na rádio, distribuída ao ministro Luis Felipe Salomão, e uma petição geral incluída no processo de registro de candidatura de Lula, que tem como relator o ministro Luís Roberto Barroso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.