Fernando Souza/AFP
Fernando Souza/AFP

Bolsonaro supera Haddad em 91% das grandes cidades do País

Candidato do PSL chega a ter até 10 vezes mais votos em cidades com mais de 500 mil habitantes; para analista, cenário dificulta campanha petista, mas redes podem influenciar mudanças

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

08 Outubro 2018 | 15h41

O candidato do PSL à Presidência da República nas eleições 2018, Jair Bolsonaro, obteve mais votos que Fernando Haddad (PT) em 91% das cidades com mais de 500 mil habitantes no primeiro turno. No total de votos válidos, o militar recebeu cerca de 10 milhões de votos a mais que o petista nas 46 maiores cidades brasileiras: foram 16,7 milhões de votos em Bolsonaro contra 6,9 milhões em Haddad. 

Os números mostram uma baixa adesão a Haddad nos grandes centros urbanos e apontam uma dificuldade para a campanha de 2º turno do petista, que só conseguiu ficar à frente de Bolsonaro em quatro cidades desse porte, todas na região Nordeste: Salvador e Feira de Santana, na Bahia; São Luís, no Maranhão; e Teresina, no Piauí. A maior vantagem de Haddad foi na capital baiana, em que chegou a 647,4 mil votos contra 377 mil de Bolsonaro.

A maior vantagem de Bolsonaro em cidades deste porte, proporcionalmente, foi registrada em Londrina, no Paraná, em que Bolsonaro fez 186 mil votos contra 18,9 mil de Haddad. Lá, Ciro Gomes (PDT) ficou em segundo lugar, com 29,4 mil votos recebidos. Em Joinville, Santa Catarina, também uma larga vantagem para o capitão reformado, que somou 230 mil votos. Haddad, em segundo, fez 26,8 mil.

"Haddad teve uma peformance terrível nas grandes cidades e penso que isso pode ser uma influência das redes, onde Bolsonaro teve militância maior", diz o cientista político Kleber Carrilho, da Universidade Metodista. "Nas grandes cidades, há uma independência maior do voto. As pessoas têm menos contato com políticos e lideranças que podem influenciar sua escolha. Aí, estão mais expostas às redes, que passam a exercer essa influência. E Bolsonaro tinha um exército atuando nas redes e no Whatsapp."

Na maior cidade do País, São Paulo, onde Haddad foi prefeito entre 2013 e 2017, Bolsonaro fez mais que o dobro dos votos de Haddad. Foram 2,8 milhões de votos no candidato do PSL contra 1,2 milhões no do PT. Bolsonaro dominou todas as zonas eleitorais com exceção das de Grajaú, Piraporinha e Parelheiros, da zona sul; e Cidade Tiradentes, na zona lesta da capital.

Nos votos gerais do primeiro turno, Bolsonaro foi o mais votado em 16 Estados e no Distrito Federal. Ele só ficou atrás de Haddad no Pará e nos oito Estados do Nordeste - em Caetés (PE), onde Lula nasceu, Haddad bateu Bolsonaro com ampla diferença (82,7% contra 7,18% do candidato do PSL).

"O cenário impõe uma grande dificuldade para Haddad no segundo turno", analisa Carrilho. "O sucesso de Haddad em pequenas cidades tem a ver com a atuação de lideranças. Nas grandes, penso que é possível que a atuação nas redes possa mudar o cenário, como já vemos as tentativas de viralização do discurso de que ele seria a única opção contra um autoritarismo de Bolsonaro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.