Reprodução Santuário São Miguel Arcanjo
Reprodução Santuário São Miguel Arcanjo

Bolsonaro participa de missa no Santuário em Bandeirantes (PR)

Depois do evento, presidente culpou Lula pela alta dos combustíveis e defendeu seu veto à Lei Paulo Gustavo

Guilherme Pimenta e Izael Pereira, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2022 | 13h39

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro (PL) participou na manhã deste sábado, 9, de missa no Santuário São Miguel Arcanjo, em Bandeirantes (PR). Ao chegar ao local, o presidente foi recebido por apoiadores aos gritos de “mito” e recebeu uma imagem de São Miguel Arcanjo, considerado patrono dos guerreiros, doentes e aflitos. Durante a cerimônia, Bolsonaro foi convidado a fazer a primeira leitura da missa.

A deputada Carla Zambelli (PL-SP) havia anunciado que o presidente participaria, no início da manhã de hoje, de uma motociata em Andirá (PR). No entanto, o comboio, que percorreria 20 quilômetros até chegar ao Santuário, não contou com a presença do presidente. Segundo a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto informou ao Broadcast/Estadão, a participação na motociada “não havia sido confirmada".

Sem mais compromissos no Paraná, o presidente seguiu para Ibiporã onde participou de carreata pela cidade, acenou a apoiadores e tomou caldo de cana. De Iporã, Bolsonaro seguiu para Londrina para pegar o voo de volta para Brasília.

Essa é a segunda vez em 12 anos que um Presidente da República visita a região conhecida como Norte Pioneiro, por onde o presidente Jair Bolsonaro passou neste sábado. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) também visitou-a nas eleições de 2010, ao lado da então ministra da Casa Civil e pré-candidata ao Planalto, Dilma Rousseff.

A participação na missa no Sul do País ocorre quatro dias após o ex-presidente Lula dizer que o aborto é questão de saúde pública, declaração que repercutiu mal entre evangélicos e até mesmo dentro do PT, que tem setores ligados à Igreja Católica. Ontem, ao participar da entrega das obras de ampliação do Aeroporto de Passo Fundo (RS), Bolsonaro aproveitou para se posicionar contra o procedimento. "Nós somos contra o aborto no Brasil", disse ele.

Bolsonaro culpa Lula por alta nos combustíveis

Depois de participar da missa, o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), atacou a política econômica de Lula, ex-presidente e pré-candidato ao Planalto este ano, e o responsabilizou pela alta do preço nos combustíveis.

"Um cara assumiu em 2003, falou que ia fazer três refinarias, gastou R$ 100 bilhões e não fez nenhuma", atacou Bolsonaro. "E nós somos dependentes de importação de diesel e gasolina. Não é desculpa, é realidade", completou.

Bolsonaro disse que, se o País tivesse feito ao menos duas refinarias, o Brasil seria exportador de derivados de petróleo, e não importador. "O ideal é fazer refinarias. Já estamos investindo e potencializando algumas refinarias para aumentar produtividade", falou Bolsonaro.

"Entre as 10 economias do mundo, o País é o único que depende de importação de derivados de petróleo graças a quem ocupou o governo de 2003 a 2015. E tem gente que quer que essa cambada volte pra cá", disse o presidente.

Os governadores também voltaram a ser alvo do presidente neste sábado. "A gasolina no Brasil está cara? Está. Vejam a composição do preço, o ICMS", atacou Bolsonaro. "O que interessa muito para nós, que é o diesel: quanto é o imposto federal no diesel? Zero. Eu zerei. Procure saber quanto é o ICMS", completou. "Procure saber quanto é a margem de lucro dos tanqueiros e dos donos de postos de combustíveis, se é justo ou não", sugeriu.

Durante a visita, Bolsonaro também defendeu o veto à Lei Paulo Gustavo, que previa a destinação de R$ 3,86 bilhões do cofre federal para o setor cultural. "O Rui Costa (governador da Bahia, do PT) vai aplicar em que na cultura na Bahia? Com aqueles figurões que ficaram de fora da Lei Rouanet', atacou Bolsonaro.

Agronegócio

O presidente também afirmou que a "locomotiva" da economia brasileira é o campo, que "não parou durante a pandemia", ao defender que o Brasil, ao contrário de outros países, que também estão sendo afetados pela inflação, é o "melhor país para receber investimentos".

"O mundo inteiro está com uma inflação de alimentos grande, fruto do pós-pandemia, do fica em casa e da guerra da Ucrânia", declarou Bolsonaro. "E o Brasil desponta como o melhor país para investimentos, enquanto lá fora começa o desabastecimento. Dado ao agronegócio e nossa política externa", comparou o presidente.

Bolsonaro disse que "ninguém tem o que nós temos", se referindo ao agronegócio brasileiro. "Aqui é uma terra maravilhosa”. Ele também voltou a defender o fim do que ele chama de “indústria da multa” no campo e o armamento do “homem do campo”.

Governador do Paraná acompanha Bolsonaro

O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), esteve ao lado de Bolsonaro durante toda a missa, assim como os deputados federais Sandro Alex (PSD) e Diego Garcia (Republicanos).

Em evento na cidade de Londrina (PR), na quinta-feira, 7, o chefe do executivo paranaense disse que tem boas relações com o presidente, mas que seu apoio durante as eleições deste ano vai depender de um posicionamento do PSD em âmbito nacional.

COLABOROU RUBENS ANATER

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.