Adriano Machado e Rodolfo Buhrer/Reuters
Adriano Machado e Rodolfo Buhrer/Reuters

Bolsonaro investe no NE; Haddad o associa a Hitler

Candidato do PSL à Presidência nas eleições 2018 tenta melhorar seu desempenho antes do primeiro turno e promete parceria com governadores da região; petista critica rival e cita ‘Deus’ na TV

O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2018 | 05h00

O candidato do PSL à Presidência da República nas eleições 2018, Jair Bolsonaro, fez nesta quinta-feira, 4, uma investida para tentar melhorar seu desempenho no eleitorado do Nordeste na reta final do primeiro turno. Em entrevista a uma rádio de Pernambuco, ele prometeu, se eleito, concluir obras na região e aumentar o benefício do Bolsa Família. Também disse que vai trabalhar em parceria com governadores de esquerda e chegou a lamentar o drama vivido pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Lava Jato. Já a campanha do candidato do PT, Fernando Haddad – que se sai melhor nos Estados nordestinos –, decidiu manter o foco no Sudeste, associou o adversário a Adolf Hitler e citou Deus no programa eleitoral na TV.

Conforme as pesquisas, Bolsonaro lidera a disputa presidencial, seguido por Haddad. O cenário atual é de segundo turno, mas o candidato do PSL ampliou a vantagem sobre o petista no último levantamento divulgado nesta semana. Em sondagem do Datafolha divulgada nesta quinta-feira, Bolsonaro atingiu 39% das intenções de votos válidos – excluídos brancos, nulos e indecisos –, ante 25% de Haddad. A três dias da eleição, o capitão reformado fica a 11 pontos de vencer no primeiro turno. 

A Região Nordeste é a única em que Bolsonaro aparece atrás do candidato do PT. De acordo com as mais recentes pesquisas Ibope/Estado/TV Globo do fim de setembro até quarta-feira, 3, as intenções de voto de Haddad na região passaram de 30% para 36%. No período, o candidato do PSL também subiu seis pontos porcentuais nos Estados nordestinos, passando de 15% para 21%. 

Em entrevista à Rádio Jornal do Commercio, do Recife, Bolsonaro criticou o adversário petista, mas aproveitou para amenizar as declarações sobre Lula, que ainda mantém alta popularidade na região.

“Peço para o nordestino que tem parente ou amigo em São Paulo para ligar para ele e perguntar sobre o prefeito Haddad, que foi tão mal em São Paulo que perdeu no primeiro turno para o (João) Doria. Ele (Haddad) agora está servindo um homem que poderia ser um grande presidente, mas o Lula está colhendo o que ele plantou, lamento que ele esteja preso”, disse. 

Em aceno ao eleitor nordestino, na rádio pernambucana, o deputado prometeu ainda priorizar a segurança hídrica na região, manter e aumentar o valor dos programas sociais como o Bolsa Família. Aos ouvintes da emissora, Bolsonaro ainda afirmou que a filha dele tem “sangue nordestino”. Ao prometer que não discriminará o Nordeste, Bolsonaro chegou a citar o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), aliado do PT. 

Hitler e Deus. A campanha do partido de Haddad divulgou nesta quinta-feira, 4, vídeo em suas redes sociais, associando a imagem do candidato do PSL a Adolf Hitler (1889-1945). O material exibe declarações antigas de Bolsonaro com imagens do ditador. “As semelhanças vão muito além do discurso. Você quer que a história se repita? Então, evite! #EleNão”, diz o perfil da sigla no Twitter.

No horário eleitoral, Haddad também fez um aceno aos eleitores religiosos. O petista citou Deus pela primeira vez desde o início da propaganda. Ele encerrou sua fala na propaganda, a última antes do primeiro turno, que foi ao ar nesta quinta-feira com a frase “que Deus abençoe a todos”.

A campanha petista também fez uma ofensiva contra fake news. Haddad gravou um vídeo se defendendo e uma mensagem foi exibida no programa eleitoral. “Eles nos atacam com mentiras na TV e no WhatsApp. Tenho fé de que, juntos, venceremos as injustiças.”

Sudeste. Nos últimos dias antes do primeiro turno, a campanha do PT vai priorizar os dois maiores colégios eleitorais do País. Nesta sexta-feira, 5, Haddad e a candidata a vice, Manuela d’Ávila, farão caminhadas na região norte de em Belo Horizonte e central de São Paulo. / LEONENCIO NOSSA, KLEBER NUNES e DANIEL WETERMAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.