Mauro Pimentel/AFP
Mauro Pimentel/AFP

Bolsonaro está liberado para ir a debates, dizem médicos

Candidato apresenta boa evolução clínica, mas ainda precisa de suporte nutricional e fisioterapia

Cristian Favaro e Renata Cafardo, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2018 | 15h15

O candidato do PSL ao Planalto, Jair Bolsonaro, foi submetido nesta quinta-feira, 18, no Rio de Janeiro, a uma avaliação médica de profissionais do Hospital Albert Einstein. De acordo boletim divulgado pela equipe médica, Bolsonaro apresenta boa "evolução clínica e a avaliação nutricional evidenciou melhora da composição corpórea, mas ainda exigindo suporte nutricional e fisioterapia". Se Bolsonaro quiser, ele poderá participar dos debates na última semana do segundo turno, segundo a reportagem do Estado apurou. 

O hospital acrescentou também que a colostomia apresenta boa evolução, mas ainda traz algumas limitações ao paciente. Bolsonaro foi esfaqueado durante ato de campanha em 6 de setembro, em Juiz de Fora (MG). 

Candidato em Roraima visita Bolsonaro

Pela manhã, Bolsonaro recebeu a visita do candidato a governador de Roraima Antônio Denarium (PSL) para tratar sobre medidas de um eventual governo do partido para a questão da entrada de venezuelanos no Estado.

Denarium afirmou que Roraima não tem a infraestrutura suciente para receber uma "migração desordenada". "Os venezuelanos estão entrando no Brasil como refugiados, e como refugiados eles não têm restrição pra entrar. Roraima é um Estado que tem pouco mais de 500 mil habitantes e não tem infraestrutura suficiente para receber essa migração desordenada. Temos que criar regras juntamente com nosso presidente da República Jair Bolsonaro".

O candidato ao Executivo estadual enumerou o que quer de Bolsonaro. "As medidas seriam a apresentação de passaporte, atestado de vacinação e também de antecedentes criminais, ou então um mecanismo para alterar a legislação do jeito que está", afirmou. Segundo Denarium, "esse problema não é só de Roraima, é um problema do Brasil que eu, junto com o nosso presidente, vamos ter que ter uma solução". Para ele, "ou se interioriza os venezuelanos, ou se toma medidas de restrição". "Da forma que está é insustentável", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.