Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Bolsonaro está com propostas que vão destruir a economia', diz Ciro Gomes

O candidato do PDT à Presidência ironizou a possibilidade do candidato do PSL de não comparecer aos debates presidenciais na televisão

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2018 | 15h02

BRASÍLIA - O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, ironizou nesta quinta-feira, 23, a possibilidade do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, desistir de ir aos debates presidenciais na televisão. Ciro disse que Bolsonaro irá se arrepender dessa estratégia, caso isso de fato aconteça, e recomendou que o deputado não fale apenas para convertidos.

"Eu acho que ele vai se arrepender. Talvez valha para algum debate, mas quem quer ser presidente de um país como o nosso não pode ficar só falando para convertidos. É preciso se submeter à crítica porque se não fica muito inconfiável você falar o maior disparate, a maior bobagem do mundo e não ter contestação porque você está dentro de uma cápsula. Se você não aguenta brincar, não desce pro play. É isso que eu vou dizer pro meu amigo. E o Bolsonaro está com propostas que vão destruir a economia", afirmou.

O candidato do PSL confirmou nesta quinta-feira, 23, em Araçatuba, que não deve participar de novas sabatinas e debates. Ele só irá aos três debates que já estão programados na televisão - TV Gazeta/Estadão, SBT/Folha e Rede Globo. Bolsonaro alega que os preparativos para as sabatinas tomam um tempo que ele prefere dedicar à campanha nas ruas.

Acompanhado do governador do Distrito Federal e candidato à reeleição, Rodrigo Rollemberg (PSB), Ciro caminhou por aproximadamente 30 metros no centro de Ceilândia, região administrativa do DF. No local, ele parou para almoçar com Rollemberg e outros candidatos coligados na mesma chapa. Depois, voltou a falar num megafone cercado de apoiadores.

"A política está falhando miseravelmente e diante disso muitos brasileiros desistem. O Brasil pede a cada um de nós uma segunda chance e é isso que eu vou pedir mais uma vez aos que estão revoltados. Eu compreendo com o meu coração a sua revolta, mas tomar decisão de cabeça quente nunca foi uma boa decisão", afirmou. "Desconfiem de quem nunca administrou um pé de bodega dos pequenos, nunca administrou uma mercearia e chega na televisão, na internet resolvendo problema complexo a golpe de frase feita, explorando o medo, a indignação e a justa raiva que o povo vê na ladroeira, no privilégio campeando. A política está falhando, está pesadamente, mas é ela que decide o preço do feijão", argumentou sem se referir diretamente a Bolsonaro.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.