Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Bolsonaro encaminha ao MP-RJ representação contra Editora Abril

Revista Veja publicou nesta semana reportagem afirmando que ex-mulher do presidenciável do PSL o acusa de furtar um cofre de banco, ocultar patrimônio, receber pagamentos não declarados e agir com 'desmedida agressividade'

Circe Bonatelli e Fabio Grellet, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2018 | 19h42

O candidato do PSL à presidência da República, Jair Bolsonaro, afirmou ter encaminhado ao Procurador Geral de Justiça do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) uma representação contra a revista Veja, da Editora Abril. O MP-RJ confirmou o recebimento da queixa em nome do presidenciável para apurar o suposto crime de violação de sigilo funcional, que teria sido cometido pela editora.

A revista publicou nesta semana reportagem afirmando que Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher de Bolsonaro, o acusa de furtar um cofre de banco, ocultar patrimônio, receber pagamentos não declarados e agir com "desmedida agressividade". As informações constam em um processo de mais de 500 páginas, que corre em segredo de Justiça, e ao qual a Veja diz ter tido acesso.

Segundo nota divulgada pelo MP-RJ, a representação foi recebida pela 7ª Promotoria de Investigação Penal da 1ª Central de Inquéritos do Ministério Público. “Serão analisados os fundamentos para requisição de instauração de inquérito na 16ª Delegacia de Polícia (Barra da Tijuca, na zona oeste), visando a apuração de suposto crime de violação de sigilo funcional”.

Esse crime consiste em “revelar fato de que tem ciência em razão do cargo e que deva permanecer em segredo, ou facilitar-lhe a revelação”. O segundo parágrafo, ao qual a representação se refere, prevê que “se da ação ou omissão resulta dano à administração pública ou a outrem”, a pena é de reclusão de dois a seis anos, além de multa.

Em vídeo divulgado em suas redes sociais, Bolsonaro afirma que despachou "uma notícia-crime contra a Editora Abril, pela questão do segredo de Justiça". O candidato afirmou que a revista "perdeu toda a noção do limite do possível" ao abordar um processo de cerca de dez anos atrás, envolvendo, inclusive, seu filho, então menor de idade. "O objetivo foi tentar me desconstruir", apontou.

Ela ainda cita que a ex-mulher, de cabeça quente, disse coisas que não eram verídicas. E reclamou que a revista não levou em consideração as alegações de Bolsonaro na ocasião. No vídeo, porém, Bolsonaro não negou diretamente as acusações feitas pela ex-mulher. "Eu respondo qualquer uma das acusações sem problema nenhum, no momento oportuno", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.