Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Cenário: Bolsonaro é refratário às regras de segurança

Candidato a presidente é um pesadelo para os agentes da Policia Federal que o acompanham desde os últimos dias de agosto

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2018 | 05h00

“Cara, dá um tempo! Me deixa...!” – O candidato Jair Bolsonaro em campanha é refratário às regras da equipe de segurança e, nas ruas, jamais abandona o estilo corpo a corpo: apertos de mão, fotos, muitos abraços, autógrafos em camisetas, selfies e paradas para conversar. Um pesadelo para os agentes da Policia Federal que o acompanham desde os últimos dias de agosto. Bolsonaro foi o primeiro a solicitar os cuidados que a PF ofereceu a todos os concorrentes à presidência da República sacramentados nas convenções dos partidos políticos e registrados na Justiça Eleitoral. Cada um dos candidatos mais bem situados nas pesquisas de intenção de voto é protegido por uma equipe de 20 agentes, sob o comando de um delegado. Os demais contam com esquemas menores. Eventualmente, em um evento de maior exposição, o plano pode ser ampliado.

O grupo dos federais encarregado de garantir autoridades é uma espécie de time de elite, agentes prontos para salta na frente de um tiro, peritos em disparos de precisão e artes marciais. Na tarde de quinta-feira, em Juiz de Fora, havia 13 homens dando cobertura a Bolsonaro na rua Halfeld. Alguns, talvez quatro ou cinco, claramente identificados – camisetas pretas e insígnias bem a vista, inevitáveis óculos escuros escondendo a direção dos olhos. Os outros, em trajes comuns, misturados entre a multidão. Todos com uma missão prioritária, procurar entre as pessoas o rosto do atentado, um homem ou uma mulher vestido em desacordo com o clima, olhar fixo, pálido, respiração irregular, tenso, eventualmente transpirando anormalmente. Funciona melhor em ambientes controlados.

Adélio Bispo e sua faca de cortar frutas e legumes não atraíram a atenção de ninguém a não ser quando o autor do ataque já havia passado do primeiro perímetro de defesa. O segundo círculo, formado pelos agentes mais próximos do alvo, conteve parcialmente a estocada que, de outra forma, teria provocado a morte por hemorragia e dilaceração das vísceras. “Foi por bem pouco”, disse a um amigo médico, o cirurgião Paulo Oliveira Junior, da Santa Casa de Juiz de Fora, responsável direto pela delicada recomposição vascular do abdômen ferido.

As equipes da Policia Federal designadas para a garantia dos candidatos serão reforçadas em 60% do efetivo garantiu o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. E as normas definidas em horas de treinamento e experiência acumulada terão de resistir às variações de temperamento dos protegidos. Até agora Geraldo Alckmin, Jair Bolsonaro, Ciro Gomes, Marina Silva e Alvaro Dias estão sendo acompanhados em regime de 24 horas. À exceção de Marina, da Rede, os demais mantém seguranças privados em caráter complementar. Os de Jair Bolsonaro são voluntários, quase todos policiais militares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.