TV Globo/Reprodução
TV Globo/Reprodução

Bolsonaro diz que se referia à cúpula do PT quando falou em 'banir os vermelhos'

Em entrevista ao Jornal Nacional, presidente eleito afirmou que aquele foi um 'discurso inflamado' e que 'não ofendeu a honra de ninguém'

O Estado de S.Paulo

29 de outubro de 2018 | 21h20

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou na noite desta segunda-feira, 29, em entrevista ao Jornal Nacional, da TV Globo, que se referia à cúpula do PT quando afirmou que "marginais vermelhos" seriam banidos do Brasil em seu governo. "Foi um discurso inflamado, com a Avenida Paulista cheia. Logicamente, estava me referindo à cúpula do PT. O próprio Boulos havia dito que invadiria minha casa", afirmou, em referência a declaração do presidenciável derrotado do PSOL.

 

Na resposta, Bolsonaro criticou ainda a fala de Fernando Haddad (PT), candidato derrotado à Presidência da República, de que a crise no Brasil só acabaria quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, fosse eleito. "Foi um momento de desabafo, não ofendi a honra de ninguém. No Brasil de Jair Bolsonaro, quem desrespeitar a lei sentirá o peso da mesma contra sua pessoa", afirmou. 

'Sou totalmente favorável à liberdade de imprensa', diz Bolsonaro na entrevista ao Jornal Nacional  

Na entrevista exibida pela TV Globo, também agradeceu todos que o elegeram e, questionado sobre o fato de uma parcela do eleitorado dizer que sua eleição é um risco, disse que a Constituição será a Bíblia do governo. "As eleições acabaram. Chega de mentiras, chega de fake news. Quero governar para todos, não apenas para os que votaram em mim. Temos a Constituição que tem que ser a nossa Bíblia aqui na Terra e respeitada. Só dessa maneira podemos conviver em harmonia", disse Bolsonaro na entrevista ao Jornal Nacional

Perguntado se iria pedir desculpas por ter se excedido em algumas falas durante a campanha, afirmou que "qualquer agressão contra um semelhante tem que ser punida na forma da lei". 

Em relação à mídia, Bolsonaro disse ser totalmente favorável à liberdade de imprensa e afirmou ser preciso fazer justiça com a propaganda oficial do governo. "A imprensa que se comportar mentindo descaradamente não terá apoio do governo federal", disse. Em sua fala na TV Globo, criticou o jornal Folha de S. Paulo, que fez uma reportagem denunciando a compra de impulsionamento de mensagens no aplicativo WhatsApp. "Logicamente que não posso considerar essa imprensa digna". Ele afirmou, no entanto, que não quer que o jornal acabe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.