Jonathas Cotrim / Estadão
Jonathas Cotrim / Estadão

Bolsonaro diz que pode atrair votos de Lula caso petista seja barrado no TSE

Em visita a Belo Horizonte, candidato do PSL declara que ex-presidente não consegue transferir votos suficientes para eleger aliado

Jonathas Cotrim, O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2018 | 13h26

BELO HORIZONTE - O candidato à Presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, afirmou nesta quarta-feira, 15, em Belo Horizonte, que poderá atrair votos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), condenado e preso na Lava Jato, caso o petista seja impedido de se candidatar nas eleições 2018. Na capital mineira para evento com líderes religiosos, Bolsonaro declarou ainda que Lula não conseguirá transferir votos suficientes para eleger um substituto de sua escolha.

“Você vai no Nordeste, tem mais Lula do que PT. Com o Lula fora de combate, pela Lei da Ficha Limpa, esse voto (se) dilui”, disse Bolsonaro.

Mesmo com o risco de ter a candidatura indeferida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), por ter sido condenado em segunda instância, Lula terá a candidatura registrada pelo PT nesta quarta-feira, 15, em Brasília. Seu candidato a vice Fernando Haddad (PT) é considerado o provável substituto.

Bolsonaro afirmou acreditar, porém, que Lula não conseguirá transferir todos os votos que concentra a um aliado. “O Lula tem o poder de transferir votos, mas não tanto quanto ele acha que pode. Muitos deles (eleitores do petista) vão olhar para mim”, disse.

O candidato do PSL apareceu em segundo lugar na mais recente pesquisa divulgada pelo Ibope, no fim de junho, com 15% das intenções de voto, em um cenário em que a candidatura de Lula é incluída. Neste caso, o ex-presidente lidera a pesquisa ,com 33%. Com o Lula fora do cenário, Bolsonaro assume a liderança do pleito, com 17% dos votos, segundo a sondagem.

Após se reunir com pastores em Belo Horizonte, o presidenciável do PSL também falou sobre sua campanha. Bolsonaro afirmou que pretende “dar uma seguradinha” em piadas e frases polêmicas. “Eu vou continuar fazendo a mesma coisa, talvez polindo um pouco mais uma palavra ou outra”, afirmou. Sobre os 15 segundos que terá de propaganda em rádio e televisão, no período de campanha, o candidato do PSL afirmou que “já dá para dar um recado legal”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.