José Maria Tomazela/Estadão
José Maria Tomazela/Estadão

Bolsonaro diz que a intenção de denúncia por racismo é criar fato político

Sobre quilombolas, Bolsonaro disse que tem conversado com alguns grupos que, segundo ele, querem uma 'nova Lei Áurea'

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2018 | 17h43

RIO - O candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) disse que a intenção da denúncia em que responde por racismo é "criar um fato político". A declaração foi dada durante a sua primeira agenda pública no Rio de Janeiro, no mercadão de Madureira, na zona norte da cidade, na tarde desta segunda-feira, 27.

Ele também afirmou que não está preocupado com o julgamento da questão pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que analisará, nesta terça-feira, se aceitará a denúncia, formulada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o candidato. Bolsonaro é acusado pelo crime de racismo em relação a quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs, por frases proferidas em palestra no clube Hebraica, no Rio de Janeiro.

"A intenção é criar um fato político (sobre julgamento do STF que analisará a denúncia por racismo). Não quero criticar o Supremo aqui, mas a questão dos índios, por exemplo, sou contra a demarcação de terras indígenas em vigor, não podemos ter uma área maior que a região sudeste demarcada como terra indígena. É um subsolo riquíssimo", disse.

Sobre quilombolas, Bolsonaro disse que tem conversado com alguns grupos que, segundo ele, querem uma "nova Lei Áurea". "Eles querem fazer o que bem entender com as suas terras, assim como fazendeiro do lado faz com a sua. Não querem continuar vivendo confinados e tutelados por parte do governo. Por que não titularizar esses quilombloas e, se quiserem vender as suas terras, que vendam?", indagou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.