Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro cancela participação em 'Cúpula Conservadora das Américas'

Segundo apurou o 'Estado', o motivo seria o custo do evento, orçado em R$ 200 mil

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

25 Julho 2018 | 14h52

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), pediu cancelar sua participação na “Cúpula Conservadora das Américas”, evento criado com representantes políticos da direita latino-americana para contrapor o Foro de São Paulo. A cúpula está sendo organizada pelos deputados Fernando Francischini (PSL-PR) e Eduardo Bolsonaro (PSL-SP).

Segundo o Estado apurou, Bolsonaro teria ficado irritado ao saber o custo do evento, orçado em cerca de R$ 200 mil. Ao Estado, a organização do evento respondeu que a reunião custaria “máximo R$ 100 mil”, que seriam pagos pela Fundação Índigo, ligada ao partido. O Centro de Estudos em Seguridade (CES) apoiará o evento.

Durante a tarde, a assessoria do deputado respondeu oficialmente que Bolsonaro estaria preocupado com a legislação eleitoral sobre sua participação no evento e esperando um parecer do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se poderia configurar propaganda antecipada. Ele avalia ir ao evento, mas não palestrar mais.

O nome do economista Paulo Guedes, que coordena o projeto de economia da chapa de Bolsonaro, também foi retirado dos nomes dos palestrantes, na publicação do site oficial do evento.

Contraponto ao Foro de São Paulo

O grupo vem organizando a cúpula há cerca de dois meses. A ideia era que o evento fosse um contraponto ao Foro de São Paulo, realizado em este mês em Cuba, e que reuniu representantes da esquerda de vários países.

Entre os palestrantes da "Cúpula Conservadora das Américas" estão, na mesa de cultura, o príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança, filiado ao PSL, o cientista político venezuelano Roderick Navarro, o cubano Orlando Gutierrez-Boronat, do Diretório Democrático Cubano, e o jornalista e escritor Olavo de Carvalho, escritor e jornalista brasileiro.

Na mesa de Segurança, estão os nomes do general Augusto Heleno, do senador paraguaio Fidel Zavala, do promotor de Justiça Diego Pessi e do major-general da Colômbia, Jorge Jerez.

Na mesa de economia estão os chilenos Carlos Gomez e Francisco Javier Leturia e o diretor Executivo do Centro de Estudos em Seguridade, Abraham Bragança de Vasconcellos Weintraub. Entre os palestrantes de política, estão o magistrado venezuelano Miguel Ángel Martín, o político chileno José Antonio Kast e a senadora colombiana María Fernanda Cabal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.