Bisneto segue passos da família no Amazonas

Não foi à toa que Arthur Virgílio do Carmo Ribeiro Bisneto escolheu esse último sobrenome para representá-lo nas urnas. No Amazonas, os Virgílio têm relação direta com a política desde 1945, quando Arthur Virgílio Filho ingressou como chefe de gabinete no governo do Estado. Depois disso, ele acumulou três mandatos como deputado estadual, um como deputado federal até ser eleito senador. No ano de sua morte, em 1987, Arthur Virgílio Neto, seu filho, encerrou o primeiro mandato como deputado federal - depois, foi senador e é atualmente prefeito de Manaus. 

Bruno Tadeu, Carlos Nealdo, Especiais para O Estado

20 de setembro de 2014 | 21h00

Foi por meio da influência do pai que Arthur Bisneto (PSDB) entrou na política. Sua primeira vitória eleitoral foi em 2000, quando foi eleito vereador da capital amazonense com apenas 20 anos. Agora, três mandatos de deputado estadual depois, concorre à Câmara federal pela primeira vez. Mesmo na contramão da renovação aclamada pela população para estas eleições, o Virgílio defende seus antecessores e se diz exceção entre os que estendem o tempo do sobrenome no poder.

“A gente tem que analisar caso a caso. Nós temos o perfil político de mandatos de vida publica limpos. Não somos políticos que pulam de galho em galho. Faço campanha para o Aécio desde os 15 anos de idade. Essa coerência é que faz falta na política e eu sou muito claro nessa posição”, defendeu Bisneto.

De avô pra neto. A herança política de Teotonio Vilela, o “Menestral das Alagoas”, também já chegou à terceira geração da família. O advogado Pedro Vilela nem era nascido quando seu avô fez sua despedida do Senado, em 1982. Mas a força do sobrenome certamente ajudou o candidato de primeira viagem a ser o mais lembrado do Estado. 

“Tenho como referência meu avô. Não tive a oportunidade de conhecê-lo, mas conheço toda a sua história”, destaca o candidato tucano. Ele só entrou na vida pública há dois anos, quando virou Secretário de Esportes de Maceió. “Poderia ter assumido qualquer cargo público na gestão de Teotonio Vilela Filho (seu tio, governador de Alagoas desde 2007), mas preferi me dedicar aos estudos. A influência da família é importante, mas não queria entrar pelas mãos deles.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.