Beijos e abraços a condenados do mensalão

O evento em comemoração dos dez anos de administração do PT no governo federal foi marcado pela presença de condenados no processo do mensalão, julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no segundo semestre de 2011. Nove presidentes ou representantes de partidos da base aliada também foram ao encontro, entre os quais o ex-prefeito Gilberto Kassab, criador e presidente do PSD, que foi vaiado pela militância.

O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2013 | 02h08

José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil no governo do ex-presidente Lula, e os deputados José Genoino (SP) e João Paulo Cunha (SP) foram recebidos de maneira entusiasmada pela militância e pela direção do PT num hotel na Zona Norte da capital paulistana. Genoino tirou fotos com integrantes da legenda, enquanto Dirceu era abraçado por dirigentes petistas. Os dois eram beijados por militantes. Os condenados no mensalão, contudo, não ficaram no palco, destinado aos governadores, ao presidente do PT, Rui Falcão, ao prefeito Fernando Haddad, a Lula e a presidente Dilma Rousseff. O PT quis evitar uma imagem polêmica de Dilma e Lula ao lado dos condenados pelo Supremo.

O vice-presidente da República, Michel Temer, não compareceu ao evento. Temer ciceroneou, em Brasília, o primeiro-ministro da Rússia, Dmitri Medvedev, e participou da 6.ª reunião da Comissão Brasil-Rússia de Alto Nível de Cooperação.

Presidentes de partidos aliados fizeram elogios a Lula e Dilma, entre os quais Alfredo Nascimento (PR), Carlos Lupi (PDT), Daniel Tourinho (PTC), Eduardo Lopes (PRB), Renato Rabelo (PCdoB), Roberto Amaral (PSB), Robson Amaral (PTN) e Valdir Raupp (PMDB), além de Kassab. "Nossa gratidão por esses dez anos do PT no governo, que é um governo só", afirmou o ex-prefeito, sob os gritos de "Fora, Kassab". /J.D. e F.G.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.