Basômetro revela queda do governismo do PSD

Ferramenta online do 'Estado' permite visualizar comportamento dos deputados federais em relação aos projetos de interesse do Planalto

ESTADÃO DADOS, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2012 | 03h03

Partido autodeclarado "nem de esquerda, nem de direita, nem de centro", o PSD também aparece em múltiplas posições no Basômetro, ferramenta do núcleo Estadão Dados que permite medir o governismo de deputados federais.

Entre os integrantes do partido, a taxa de governismo (porcentual de votos a favor de projetos de interesse do Planalto) vai de 36% a 95% (veja quadro) - a maior variação entre todas as legendas. Na média, fica em 86%.

Nas 28 votações nominais de que o PSD participou em 2011 - de outubro, quando foi criado, até dezembro -, o partido do prefeito Gilberto Kassab teve média de governismo de 98%, mais alta até do que a de aliados fiéis da presidente Dilma Rousseff, como o PSB (96% no período).

A partir de 2012, entretanto, os deputados da legenda mudaram seu comportamento e começaram a votar com a oposição em várias ocasiões. Levando-se em conta apenas as 17 votações nominais deste ano, a taxa de governismo cai para 68%. Não por coincidência, em 17 de fevereiro, Kassab comunicou o PT que apoiaria José Serra na eleição para prefeito de São Paulo, e não mais a candidatura do petista Fernando Haddad.

Alguns deputados do PSD se tornaram mais oposicionistas do que outros. Enquanto Onofre Agostini (SC) votou 10 vezes contra o governo neste ano, Silas Câmara (AM) votou 8 vezes conforme a orientação do Planalto. / JOSÉ ROBERTO DE TOLEDO, DANIEL BRAMATTI, AMANDA ROSSI e EDUARDO MALPELI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.