Basômetro mostra dupla face de 'bancada'

Na votação do Código Florestal, maioria dos 'ambientalistas' se alinhou à frente ruralista

ESTADÃO DADOS, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2012 | 03h07

O Basômetro, que agora permite a análise dos votos das bancadas temáticas no Congresso Nacional, revela que a maioria dos integrantes da Frente Parlamentar Ambientalista se alinhou aos ruralistas nas votações do Código Florestal, em abril.

Na sessão da Câmara que derrotou o governo e rejeitou o projeto do Senado, 115 deputados "ambientalistas" votaram contra a orientação do Planalto - 40% do total de votos contra. Já os votos a favor foram 87.

Em outra votação perdida pelo governo no mesmo dia, 97 integrantes da frente acompanharam o voto dos ruralistas e 85 seguiram os apelos do setor ambiental.

Orientação. "Tem uns que votaram (contra as demandas do movimento ambientalista) porque o partido orientou assim", afirma Mário Mantovani, da ONG SOS Mata Atlântica, que articula a participação da sociedade civil na frente. Mas não é só isso. "Tem deputado que só foi em uma reunião e assinou (a participação na frente)", explica Mantovani. "Alguns nunca mais apareceram. Paciência. Não vamos exigir se votou assim, votou assado", comenta.

Nada menos do que 107 deputados integram tanto a Frente Parlamentar Ambientalista quanto a Frente Parlamentar da Agropecuária - nome oficial da bancada ruralista.

Além das duas derrotas de maio, o governo perdeu outra votação do Código Florestal em 2011. Na ocasião, a Câmara aprovou uma anistia a desmatadores. O governo orientou os deputados a votar contra, mas só conquistou 84 ambientalistas. Outros 120 membros da frente contrariaram a posição oficial.

O artigo 6.º do manifesto da frente ambientalista prega: "Lutar pela aprovação das proposições legislativas que aperfeiçoam a legislação ambiental vigente". O 9.º é ainda mais incisivo: "Rechaçar qualquer tentativa de impor retrocessos à legislação ambiental".

Liderada pelo deputado Sarney Filho (PV-MA), a frente tem a adesão de parlamentares de quase todos os partidos. "Pode entrar qualquer um, independentemente da questão ambiental", diz Mantovani. "Fazemos trabalho de formação."

Duas canoas. Um dos deputados que mantêm um pé na canoa dos ambientalistas e outro na dos ruralistas é Lincoln Portela (PR-MG). "Não vejo nenhum paradoxo nisso. Temos que fazer a equação da produção com a sustentabilidade."

"Não sou membro diretivo de nenhuma das duas, participo mais na condição de ouvinte, telespectador, tanto de uma como de outra", diz Danilo Forte (PMDB-CE), outro deputado que está dos dois lados.

O Basômetro (http://estadaodados.herokuapp.com/html/basometro) é uma ferramenta online do Grupo Estado que permite medir a taxa de governismo do Congresso Nacional e acompanhar a posição dos partidos e parlamentares em todas as votações nominais. / AMANDA ROSSI, JOSÉ ROBERTO DE TOLEDO, TCHA-TCHO e DANIEL BRAMATTI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.