Banco público fecha acordo para ajudar gestão de Haddad

A Caixa Crescer, empresa criada pelo banco para concessão de crédito solidário, começa suas atividades em São Paulo com uma parceria com o prefeito petista Fernando Haddad. As negociações foram acompanhadas de perto pelo vice-presidente de Governo da Caixa, José Urbano Duarte, ligado ao PT.

O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2013 | 02h10

Nos próximos dias, a empresa vai promover ações em comunidades de baixa renda da capital para divulgar os produtos e captar clientes. O lançamento em São Paulo faz parte de um pacote de bondades milionário para São Paulo que a presidente Dilma Rousseff anuncia hoje, dia do aniversário da cidade e também do 50º aniversário do prefeito Fernando Haddad.

O encontro marca o início das relações administrativas entre o governo federal e a Prefeitura. De acordo com informações de bastidores do Palácio do Planalto e de petistas próximos ao prefeito paulistano, Dilma anunciará investimentos em educação, habitação, saúde e transportes.

O aporte de recursos federais por intermédio de convênios servirá para que Haddad possa dar início ao cumprimento das principais promessas de campanha. A expectativa é que a presidente anuncie ainda a construção de um câmpus da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) na zona leste, e de um Instituto Federal de Ensino em Pirituba, na zona norte. Os terrenos para os dois centros serão doados pela Prefeitura. Por isso, a visita é considerada simbólica tanto por parte do Palácio do Planalto quanto da Prefeitura.

Dilma Rousseff pretende transformar a administração de Haddad em um laboratório para seu programa de governo em um eventual segundo mandato, voltado para serviços à classe média e não mais para a rede de proteção social. A ideia é fazer com que Haddad crie uma série de serviços nas áreas de educação, habitação, saúde e transportes, os pontos que dizem respeito à Prefeitura que mais receberam críticas na gestão do ex-prefeito Gilberto Kassab. / A.R. e J.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.