Avaliação positiva faz Dilma criar imagem independente da de Lula

Presidente mantém alta aprovação na CNI/Ibope, e gestão atual tende a superar memória do governo do antecessor

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

20 de março de 2013 | 02h07

As realizações do governo Dilma Rousseff, passado pouco mais da metade do mandato, começam a ser mais bem avaliadas que a lembrança dos brasileiros em relação à gestão Luiz Inácio Lula da Silva. Dados da pesquisa CNI/Ibope divulgados ontem indicam empate técnico entre os que consideram a atual administração melhor que a do antecessor e os que avaliam como pior. Mas, pela primeira vez, o índice a favor de Dilma está numericamente superior, mantendo a tendência de alta. A aprovação do governo atingiu 63%, um ponto a mais que em dezembro, e a avaliação pessoal da presidente também oscilou um ponto, chegando a 79%.

Segundo o levantamento, 20% dos entrevistados consideram o governo Dilma melhor que o de Lula, um ponto a mais que em dezembro. Naquele mês, 21% consideravam a gestão passada melhor, número que agora caiu para 18%. A avaliação pró-Dilma apresenta elevação desde março de 2012. O índice dos que acham as duas gestões iguais é de 61%, 2 pontos a mais que na pesquisa anterior - outro fato positivo para Dilma, dada a avaliação positiva de Lula ao deixar o Planalto.

O gerente executivo de pesquisa da Confederação Nacional da Indústria, Renato Fonseca, destacou o crescimento "muito forte" da aprovação de Dilma e seu governo no Nordeste. A região, lembrou Fonseca, é um reduto consolidado de Lula. "Isso mudou agora", afirmou. A aprovação pessoal da presidente subiu de 80% para 85% entre dezembro e março - maior índice em todo o País. Em outras regiões, o porcentual é de 77%.

O gerente da CNI aponta três fatores principais para o desempenho positivo do governo. O primeiro é o nível baixo do desemprego e a manutenção da alta da renda, mesmo em período de crise. O segundo é a aprovação, pela maioria dos eleitores, das políticas sociais do governo. O terceiro é o que Fonseca chamou de "carisma" da presidente: "É a posição forte que ela passa na avaliação dos problemas. Ela vem conseguindo construir essa figura de competência".

Na avaliação de Fonseca, o governo não só tem adotado medidas positivas para a população como sabe comunicá-las de forma que os brasileiros se lembrem das ações. Segundo ele, entre as notícias mais lembradas sobre o governo Dilma por meio de resposta espontânea, a única realmente negativa foi a do aumento do preço da gasolina - ainda assim, a 10.ª entre 12 itens.

Os fatos mais lembrados foram a tragédia de Santa Maria, em 27 de janeiro, e a presença de Dilma na cidade gaúcha, e a redução das tarifas de energia e o afastamento da possibilidade de apagão no País. Mas o gerente da CNI ressalvou que a indústria não se recuperou e ainda paira uma ameaça de inflação em alta. "Claro que, se a situação da economia continuar se deteriorando, isso deve refletir na avaliação do governo." / CÉLIA FROUFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.