Avalanche de recursos permitiu volta de vários fichas-sujas

Prefeitos e deputados condenados pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio à perda de mandato continuam nos cargos graças a liminares e outras decisões do Tribunal Superior Eleitoral e poderiam ser candidatos neste ano, se as eleições fossem hoje. Não seriam, portanto, afetados pela Lei da Ficha Limpa.

O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2012 | 03h04

A prefeita de Campos e ex-governadora, Rosinha Garotinho (PR), que teve o mandato cassado duas vezes, conseguiu voltar ao cargo, primeiro por decisão do TSE e depois por liminar do TRE. O ex-governador e deputado Anthony Garotinho (PR) foi condenado no mesmo processo a três anos de inelegibilidade, mas se beneficiou pelas decisões do TSE e do TRE.

O senador Jader Barbalho (PMDB-PA) está livre para se candidatar. Ele renunciou em 2001 para evitar um processo de cassação do mandato que terminaria em 2003. A pena foi completada em fevereiro de 2011.

O ex-presidente da Câmara Severino Cavalcanti (PP) renunciou em 2005. Hoje prefeito de João Alfredo (PE), ele estaria inelegível. / LUCIANA NUNES LEAL e ANGELA LACERDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.