Auxílio-saúde volta a ser pago na Assembleia de São Paulo

A Assembleia Legislativa de São Paulo reativou o auxílio-saúde destinado aos deputados estaduais para gastos com internações hospitalares não cobertos por seus planos de saúde particulares. Pela medida, publicada ontem, os parlamentares terão direito de reembolso de 50% do total desse tipo de despesa, até o limite de R$ 100 mil.

O Estado de S.Paulo

10 de janeiro de 2014 | 02h10

Criado em outubro de 2012, o benefício foi suspenso em julho do ano passado, após abertura de investigação do Ministério Público. Até então, apenas um deputado havia utilizado o sistema de reembolso, no valor de R$ 69 mil, para gastos com o tratamento de um tumor.

Quando foi instituído, parlamentares justificaram a medida sob o argumento de que tiraram dinheiro do próprio bolso para ajudar a pagar a internação de três colegas de Assembleia em hospitais particulares.

A nova regra, além de delimitar o reembolso, cria critérios mais rígidos para o uso do benefício e a comprovação dos gastos. A Assembleia afirmou, em nota, que o auxílio foi "retomado com uma série de requisitos e critérios mais transparentes e restritivos" e que agora exige "uma contrapartida dos deputados". A Casa disse que, "ao contrário de outros parlamentos, não paga plano de saúde para os deputados ou familiares".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.