Atrasado, PT divulga nota em defesa do documento

Também em nota, PSDB diz que relatório é uma 'ação deliberada' contra o partido e o governador Marconi Perillo (GO)

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2012 | 02h02

Com três dias de atraso, o PT saiu ontem em defesa do relatório do deputado Odair Cunha (PT-MG) com as conclusões da CPI do Cachoeira. Nota assinada pelo líder do partido na Câmara, Jilmar Tatto (SP), rebateu as críticas feitas ao documento de mais de 5 mil páginas, que propõe o indiciamento de 46 pessoas.

Tatto contestou as acusações feitas pelo governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), que divulgou nota anteontem com críticas pesadas ao relator. Cunha propôs o indiciamento de Perillo por seis crimes. Para Tatto, a reação do tucano é uma "tentativa desesperada de salvar seu mandato e seu governo, em razão dos vínculos estreitos e perigosos com a organização de Cachoeira".

"O relatório demonstra com riqueza de detalhes, substanciado em provas amealhadas pela Polícia Federal durante vários meses de investigação e em documentos em poder da CPMI, que o governador Marconi Perillo havia firmado, já durante a campanha que o levou ao governo de Goiás, uma verdadeira parceria política e econômica com a sociedade Delta/Carlos Cachoeira naquele Estado", escreveu Tatto.

Anteontem, Perillo divulgou nota em que acusa Cunha de ter produzido o "uma peça de ficção elaborada exclusivamente como instrumento de vingança". "Não há revanchismo, perseguição ou espírito de vingança por parte do relator. O relatório retrata uma situação que já se mostrava pública. Caberá agora ao governador explicar à sociedade o motivo que levou seu governo ser partilhado e, em grande parte, conduzido pelo chefe de uma das maiores organizações criminosas já estruturadas no País", rebateu Tatto.

Em nota, o presidente do PSDB, deputado Sérgio Guerra, afirmou que o relatório é uma ação do PT para se defender após o julgamento do mensalão. Para ele, há uma "ação deliberada" contra o PSDB e Perillo. "A CPI tomou um rumo incoerente e sinuoso, cujo o resultado é a não investigação. O relatório é uma colcha de retalhos na qual fica reproduzida uma ação deliberada contra o PSDB e o governador Marconi Perillo, em meio à proteção dos verdadeiros envolvidos no escândalo", afirmou. / E.L.

Tudo o que sabemos sobre:
Mensalão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.