Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Ato pró-Haddad tem bandeira do Brasil manchada de vermelho em alusão à violência contra negros

Ato simbolizava 'sangue de jovens negros' e faz homenagem ao Mestre Moa do Katendê, assassinado em Salvador, e à vereadora Marielle Franco, executada em março

Daniel Weterman e Mateus Fagundes, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2018 | 21h13

O ato de apoio ao candidato Fernando Haddad (PT) na noite desta segunda-feira, 22, teve uma série de manifestações artísticas. Em uma delas, uma bandeira do Brasil manchada de vermelho - simbolizando o "sangue de jovens negros" - era empunhada por atores que simulavam uma luta de boxe.

Ao final da apresentação, o grupo prestou homenagens ao Mestre Moa do Katendê, assassinado em Salvador em 7 de outubro por um eleitor do concorrente Jair Bolsonaro (PSL), e à vereadora Marielle Franco, executada em 14 de março.

O ato, realizado no Teatro Tucarena, na zona oeste de São Paulo, reúne artistas, intelectuais, religiosos, sindicalistas e membros de torcidas organizadas. Tanto o palco quanto a plateia estavam lotados.

Guilherme Boulos, candidato derrotado do PSOL, fez um discurso contra Bolsonaro, a quem chamou de "projeto de ditador".

Boulos criticou ainda as declarações de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) sobre o Supremo Tribunal Federal (STF) e do próprio presidenciável do PSL, que, em vídeo transmitido para ato na Avenida Paulista, sugeriu "varrer do mapa os bandidos vermelhos".

"São palavras que nos revoltam", afirmou Boulos. Ele foi chamado ao palco pela mestre de cerimônias como uma liderança que "não se rendeu às sombras da neutralidade".

Houve gritos de "ditadura nunca mais", "Bolsonaro não" e "Brasil, urgente, Haddad presidente". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.