Até Tiririca vira pré-candidato em SP

Deputado federal anuncia intenção de concorrer a prefeito pelo PR em uma pré-campanha que já tem pelo menos 8 nomes anunciados

EDUARDO BRESCIANI, ESTADÃO.COM.BR / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 de fevereiro de 2012 | 03h05

Na tentativa de aumentar o valor de face do partido, o PR decidiu dar ao deputado federal Tiririca (PR-SP) o status de pré-candidato a prefeito de São Paulo. A manobra atende a vários objetivos da legenda, como a retomada de um lugar no primeiro escalão do governo Dilma Rousseff.

Até agora, praticamente todos os partidos com alguma representativa no Congresso já anunciaram a disposição de ter candidatos próprios a prefeito de São Paulo, como PP, PTB, PDT, PPS, PC do B e PMDB, além de petistas e tucanos.

O atual ministro do Transporte, Paulo Sérgio Passos, é filiado ao PR, mas não tem respaldo da cúpula do partido. Sondado durante o carnaval, Tiririca já avisou que aceita a missão e em conversa ontem com o Estado colocou a melhora do transporte público como uma prioridade dos paulistanos.

Além dos objetivos no curto prazo, dentro da legenda há quem defenda que uma candidatura de Tiririca teria o efeito de manter o PR alinhado com o PT no cenário nacional sem se afastar do PSDB no Estado. Dessa forma, o partido teria peso importante em um eventual segundo turno em São Paulo entre petistas e tucanos na capital.

Outra aposta é que, tendo o artista à frente do partido, seria possível ampliar a bancada de vereadores, atualmente com cinco representantes na Câmara.

Tiririca teve 1,3 milhão de votos, sendo o deputado federal mais votado do País em 2010. Sua campanha tinha o deboche como slogan: "Pior do que está não fica". Com sua votação, ajudou a coligação de que fazia parte a eleger outros três parlamentares para a Câmara.

O responsável pela entrada do palhaço na política foi Valdemar da Costa Neto (PR-SP), um dos réus no processo do mensalão em andamento no Supremo Tribunal Federal (STF). A nova investida também tem a mesma origem. Foi Valdemar quem ligou para o colega durante o Carnaval para propor a candidatura.

"Eu estava no interior do Rio no Carnaval, e ele (Valdemar) me ligou dizendo que tinham muitos pedidos de eleitores para que eu fosse candidato a prefeito", contou o deputado. "Não era uma coisa que eu pensava. Foi o partido que me procurou, mas, se o povo quiser, eu vou".

Tiririca mora em São Paulo desde 2006 e diz ser o principal problema da cidade o "trânsito maluco".

Discreto. Na Câmara a atuação do parlamentar é discreta, apesar de ele estar sempre presente em plenário e na comissão de Educação e Cultura.

Até hoje nunca subiu à tribuna do plenário para fazer qualquer pronunciamento. Comedido nas conversas com a imprensa ressalta não estar na política para fazer "palhaçada".

Vislumbrando um possível debate na televisão com o ex-governador José Serra (PSDB) e o ex-ministro da Educação Fernando Haddad (PT) o artista não se acanha. "Eles são muito inteligentes, mas eu vou falar da minha maneira. Eu sei das dificuldades do povo mais do que ninguém."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.